Parlamentares usaram tribuna para reclamar

Os vereadores de Campo Grande admitiram nesta quinta-feira (19) que podem abrir a CPI do Transporte Público para analisar qual o motivo do aumento do passe de ônibus, de R$ 3,00 para R$ 3,25, já que o governo do Estado baixou o ICMS do diesel, usado para abastecer os veículos, este ano.

Chiquinho Telles (PSD) disse que a investigação teria foco no consórcio. “Esses empresários ficam achando que a cidade não tem prefeito e nem Casa de Leis. Faltou pulso firme do prefeito para não aumentar a tarifa para a população. Mas o Bernal não ouve nem a população, nem a Câmara”.

A ideia do vereador surgiu após Paulo Siufi (PMDB) usar a tribuna e reclamar das condições precárias do serviço. Airton Saraiva (DEM) comentou que existe uma verba específica da Prefeitura apenas para realizar a manutenção dos terminais, que estão abandonados.

“É um absurdo este tarifaço que o deus de Campo Grande está colocando”, ironizou, referindo-se a Bernal. A solução, para Chiquinho, seria uma avaliação rigorosa dos motivos por meio da CPI ou encaminhar a questão ao Ministério Público.

Antes do aumento da tarifa, Luiza Ribeiro e Chiquinho Telles encaminharam a Agereg (Agência de Regulação dos Serviços Públicos Delegados de Campo Grande) um pedido de como seria a composição da planilha de aumento da passagem deste ano e não obtiveram resposta.