A senadora (União Brasil) denunciou, em rede social, ter sido alvo de ataque hacker em seu acesso ao SGIP (Sistema de Gerenciamento de Informações Partidárias). Este é o mesmo banco de dados em que filiados do partido teriam sido excluídos, tendo gerado ação judicial com suspensão da eleição da nova composição do comando regional da sigla.

“Hackearam meu acesso no @TSEjusbr para o Sistema de Gerenciamento de Informações Partidárias (SGIP). Ainda não temos ciência das alterações feitas, mas a polícia, que já foi acionada, nos trará as respostas. Quem se beneficiaria com tais mudanças? A quem interessa isso?”, publicou Thronicke em sua conta no Twitter.

Conforme descrição do TSE, o sistema do qual se refere a senadora gerencia informações dos órgãos de direção de partidos políticos, de seus integrantes e delegados. O mesmo possui três módulos: externo (uso dos partidos), consulta pública (para emissão e validação de certidões) e interno (com acesso exclusivo da Justiça Eleitoral).

Os questionamentos no final da mensagem fazem referência a crise do União Brasil. O partido teve eleição do seu diretório regional suspensa pela Justiça, depois que se informou a exclusão de pelo menos 15 pessoas da agremiação partidária. Recurso, no entanto, solicitou ao juiz do caso que reconsiderasse sua decisão e questionou a competência dos autores da ação.

Ataque hacker

Em fevereiro, a senadora havia recorrido a para investigar ataques às suas redes sociais. Contudo sobre a atual , a corporação destacou em nota que “não divulga ou confirma qualquer tipo de informação sobre eventuais investigações em andamento”.

Nota do Tribunal Superior Eleitoral destaca não haver “conhecimento de nenhum ataque que tenha sido efetuado contra o Sistema de Gerenciamento de Informações Partidárias (SGIP) ou qualquer outro sistema da Corte Eleitoral”. Esta indica ainda que, em consulta aos sistemas processuais, não se encontrou “nenhum registro de ação protocolada pela senadora Soraya Thronicke nesse sentido”.

Por sua vez, a assessoria de imprensa da senadora enviou esclarecimento de que na segunda-feira (10) a parlamentar identificou acessos indevidos com seu login e senha, “feitos por terceiros”, ao sistema SGIP.

“Como presidente estadual de um partido, tenho um login e senha de acesso limitado à minha competência dentro do Mato Grosso do Sul para alimentar o sistema. Ao notar as alterações que não foram feitas por mim, imediatamente acionei a polícia para investigar a invasão do SGIP. Considerando a gravidade do caso, a investigação tramita sob sigilo”, destaca Soraya Thronicke em nota de esclarecimento.

*Matéria atualizada às 16h14 para incluir os posicionamentos do TSE e da senadora Soraya Thronicke.