Painel eletrônico indicava presença de 19 parlamentares em plenário, embora, de fato, 9 deputados estivessem ali

A sessão da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul desta quinta-feira (25), véspera de feriado em Campo Grande – amanhã é aniversário da cidade –, durou uma hora e cinco minutos. E nada aconteceu por lá. Nem ordem do dia foi lida. Embora o painel eletrônico da Casa indicasse a presença de 19 dos 24 parlamentares, apenas nove estavam sentados em suas poltronas, no plenário.

O deputado Paulo Corrêa, PR, primeiro secretário da Assembleia Legislativa disse que, embora as ausências sejam injustificáveis, “muitos parlamentares” poderiam estar despachando em “seus gabinetes, conversando com prefeitos do interior, ou então participando de eventos fora da Assembleia, ou visitando obras ou atuando em eventos com o governador”.

Corrêa fez um breve relato da tribuna acerca da questão. Pediu ao deputado estadual Maurício Picarrelli, do PMDB, vice-presidente da Assembleia, que conduzia a sessão, mais participação dos parlamentares durante as sessões.

Picarelli assim respondeu: “na terça-feira que vem todos os deputados estarão aqui”.

Às 10h25 minutos, quando anunciada o fim da sessão, ocupavam o plenário os deputados Zé Teixeira, Laerte Tetila, Lauro Davi, Maurício Picarelli, cabo Almi, Paulo Corrêa, Paulo Duarte e Tita.

Um deputado estadual recebe em torno de R$ 20 mil mensais de salário, mais uma ajuda de R$ 11 mil para manutenção de seu gabinete. As sessões acontecem nas manhãs de terça, quarta e quinta-feira.