Mesmo preso na Bélgica após ser extraditado em um forte esquema de segurança, no dia 16 de junho da Hungria, o ex-major Sérgio Roberto Carvalho voltou a receber sua aposentadoria, que já soma R$ 81 mil. Os proventos voltaram a ser pagos em março deste ano.

De acordo com o Portal da Transparência do Governo, Carvalho ficou sem receber aposentadoria entre janeiro de 2021 e fevereiro de 2023. Já em março, o ex-major voltou a receber, sendo o primeiro recebimento no valor de R$ 12.860 de remuneração fixa e os mesmos R$ 12.860 de remuneração eventual, com pagamento final de R$ 20.260.

Já em abril, o ex-major teve a aposentadoria depositada no valor de remuneração fixa R$ 12.860. Em maio, a remuneração fixa teve reajuste e passou para R$ 13.503. Carvalho também teve direito a R$ 18.219 de remuneração eventual, em um total pago de R$ 26.912.

Uma decisão da 14ª Vara Federal de Curitiba penhorou R$ 1.313.732,01, que seria repassado a Sérgio Roberto de Carvalho, conhecido como major Carvalho, na verdade, ex-major da PMMS (Polícia Militar de Mato Grosso do Sul). O valor é referente a aposentadorias de Carvalho.

Em 2015, o ex-major entrou com mandado de segurança, para receber valores da aposentadoria pela Ageprev (Agência de Previdência do Mato Grosso do Sul). Isso porque em junho de 2010 ele teve a aposentadoria suspensa.

Os valores ultrapassaram os R$ 500 mil a receber, na época. Em dezembro de 2022, foi determinado o valor corrigido de R$ 1.313.732,01, para o ex-major receber.

Extraditado com forte aparato policial 

O ex-major Sérgio Roberto de Carvalho, preso na Hungria desde junho de 2022, foi extraditado sob forte aparato policial no dia 16 de junho para a Bélgica. A prisão do ex-major aconteceu após uma investigação da Polícia Judiciária portuguesa, em articulação com as autoridades brasileiras.

Imagens feitas pela polícia da Hungria, no dia da extradição, mostraram o ex-major cercado por policiais e sendo colocado colete a prova de balas nele, uma espécie de capacete e depois sendo conduzido até um veículo, onde entra junto de outros policiais fortemente equipados. 

Nas imagens divulgadas pela coluna do Josmar Zonino, do UOL, o veículo sai e é escoltado por outros veículos da polícia até a chegada ao aeroporto. O ex-major foi escoltado por equipes policiais também em motocicletas. Em seguida, Carvalho é colocado dentro de um avião com destino à Bélgica.

A decisão de mandá-lo para a Bélgica foi tomada pela ministra da Justiça húngara, Judit Varga. As autoridades belgas acusam o major de ser o dono de 1,3 tonelada de cocaína apreendida em agosto de 2021, em um avião turco no aeroporto internacional de Fortaleza, no Brasil, de acordo com Josmar Zozino do UOL. 

A prisão do ex-major aconteceu após uma investigação da Polícia Judiciária portuguesa, em articulação com as autoridades brasileiras, que teria sido determinante para o fim do império do barão da droga — que tinha atividade em Portugal, onde estaria lavando dinheiro por meio de investimentos milionários, nomeadamente em imóveis que foram arrestados por ação da polícia.