A deflagrou a ‘La Famiglia’, na manhã desta terça-feira (6), em , contra o núcleo da organização criminosa do ex-major Sérgio Roberto de Carvalho. São cumpridos mandados em Campo Grande e .

Informações passadas pela PF, são de que a operação é para desarticular uma estrutura de lavagem de dinheiro por pessoas ligadas ao núcleo familiar do narcotraficante internacional, Sérgio Roberto Carvalho, que foi preso na Hungria, no dia 21 de junho deste ano.

O núcleo era responsável por parte da movimentação financeira, aquisição, administração e alienação de bens oriundos de suas práticas criminosas. Foram expedidos nove mandados de busca e apreensão, em Campo Grande, Jaraguari, São Paulo e São José do Rio Preto. 

Também foi decretado o sequestro de imóveis dos investigados avaliados em aproximadamente R$ 8 milhões.

A investigação

A investigação evidenciou a prática de atos de lavagem de dinheiro consubstanciados em negócios jurídicos fraudulentos e compra de bens imóveis e móveis, em especial fazendas, subsidiados com recursos provenientes do tráfico internacional de drogas, bem como investimentos com a finalidade de desempenhar atividade rural pecuária, visando, assim, converter os ativos ilícitos em lícitos.

A operação é um desdobramento da Operação Enterprise, deflagrada pela Polícia Federal no dia 23 de novembro de 2020 em diversos estados da federação e no exterior para combater um conglomerado de organizações criminosas vocacionadas ao crime de tráfico internacional de drogas.

A investigação deflagrada nesta terça (6) recai sobre a lavagem de dinheiro perpetrada pelo núcleo familiar do chefe do esquema delituoso desmantelado na sobredita operação, responsável pelo envio de toneladas de cocaína para a Europa.

Os investigados responderão pelo crime de lavagem de dinheiro, com penas que podem variar de 3 a 10 anos para cada ação perpetrada.

ex-major carvalho

Prisão ex-major Carvalho

A prisão do ex-major aconteceu após uma investigação da Polícia Judiciária portuguesa, em articulação com as autoridades brasileiras, teria sido determinante para o fim do império do barão da droga — que tinha atividade em Portugal, onde estaria lavando dinheiro por meio de investimentos milionários, nomeadamente em imóveis que foram arrestados por ação da polícia.

Major estava escondido na Europa

Major Carvalho foi preso pela primeira vez em 1997, quando já estava no quadro da reserva dos oficiais da PMMS (Polícia Militar de Mato Grosso do Sul). Ele foi militar por 16 anos e é considerado um dos mais poderosos e influentes traficantes da América do Sul.

O ex-major só foi expulso da PM 22 anos após ser preso por tráfico de cocaína pela primeira vez. A demissão foi publicada no Diário Oficial do Estado do dia 7 de março de 2018.

O decreto assinado pelo governador Reinaldo Azambuja (PSDB) informava que o major perdeu o cargo por consequência do trânsito em julgado de sentença judicial que determinou a expulsão.

Saiba Mais