Autor dos que atingiram um homem de 27 anos no Jardim Santa Emília na tarde desta quinta-feira (26) deve se apresentar na próxima segunda-feira (30), releva a defesa ao Jornal Midiamax.

Advogado Amilton Ferreira, que representa o autor do crime, deve apresentá-lo na delegacia junto com a arma usada no crime e provas de que ele agiu em legítima defesa. Segundo a versão apresentada pela defesa, o homem alega que viu a vítima “pegando algo no carro e indo em direção a ele” e pensou se tratar de uma arma.

O autor é da esposa da vítima e foi levar a filha deles, de 9 anos, na USF (Unidade de Saúde da Família), quando ocorreu o crime. Dentre as provas que o advogado deve apresentar, está um boletim de ocorrência do autor contra a vítima e também diversas ameaças feitas por mensagem, do atual marido para o ex.

Inclusive, segundo Ferreira disse ao Jornal Midiamax, a arma teria sido comprada para a proteção do autor após as ameaças da vítima. Além disso, o autor nega que tentou atirar na de 3 anos.

tiros
Advogado Amilton Ferreira de Almeida (Foto: Henrique Arakaki, Jornal Midiamax)

O crime

Conforme a defesa, o homem estava com a filha de 9 anos na USF quando a ex-mulher chegou no local e uma discussão começou. A motivação para a briga ainda será esclarecida, mas a suspeita é que fosse pela guarda da menina de 9 anos.

Nisso, o autor sai da unidade de saúde, entra no carro e chega a dar o ‘balão’ em frente ao posto, quando vê a vítima “pegando algo no carro e indo em direção a ele”. Como defesa, ele sai armado do carro e dispara contra a vítima.

A vítima foi atingida por três disparos e socorrida pelo Corpo de Bombeiros para a Santa Casa. O autor deixou o local após o crime. A criança de 3 anos, muito assustada com ocorrido, sofreu ferimentos leves de estilhaços de vidro na perna e não precisou de atendimento.

Ao Jornal Midiamax, a esposa do homem baleado disse que o objetivo do autor dos disparos era matar a criança. “Desde que ele passou a ter a guarda da nossa filha, ele ameaçou destruir minha vida. Dessa vez o objetivo era matar meu filho”, revelou.

Ela relatou que foi até a unidade para pegar um papel de encaminhamento para uma consulta com psicólogo, marcada para amanhã, sexta-feira (27). Ao chegar no local, viu o ex-marido, acompanhado de sua atual esposa, que segundo ela, apresentavam olhar de chacota.

A esposa do ex a cumprimentou, pegou em sua mão e elas iniciaram uma discussão. Após essa discussão, o casal foi para o lado de fora e a esposa da vítima continuou na recepção aguardando atendimento. Foi quando ela ouviu os disparos e viu seu atual marido correndo com a mão na barriga e caindo ao solo. Em seguida, ela correu para ver como seu filho estava.

Relacionamento com o ex era conturbado

Ela também comentou com a equipe de reportagem, ainda no local dos fatos, que o relacionamento com o ex-marido durou 7 anos. Nesse período, viveram momentos conturbados, pois ela era impedida de ter contato com a família e ameaçada constantemente com uso de armas.

“Eu era muito nova e ele mais velho, não me dava conta de que eu ficava presa, pois ele me impedia de ter contato com meus familiares. Quando tentamos nos separar, ele me ameaçava por várias vezes, inclusive apontando armas em minha direção”, explicou.

O casal se separou há menos de quatro anos. Há 6 meses, ela passou a guarda da filha, de 9 anos, para o ex-marido a pedido dele. Mas depois começou a enfrentar uma série de problemas, pois ela era impedida de visitar a própria filha.