Esfaqueada e amarrada pelo marido, irmã de Marielly recebe alta do hospital em Mato Grosso

Irmã de Marielly Barbosa Rodrigues, recebeu alta do hospital em que estava internada desde o último dia 19, quando foi esfaqueada, agredida e amarrada pelo seu marido, Hugleice da Silva, de 35 anos. Ela estava internada no Hospital Regional em Rondonópolis, distante a 218 km de Cuiabá, em Mato Grosso.

Conforme informações do site Notícias de Mato Grosso, ela teve ferimentos de faca em várias partes do corpo, foi amarrada, agredida e teve o pescoço cortado. De acordo com informações da polícia, no último domingo (19), o autor havia começado uma discussão com a esposa depois de ver mensagens no celular da mulher.

O autor fugiu do local após o crime, minutos depois, a vítima conseguiu se soltar e pedir ajuda. Ela foi socorrida por equipe do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) e encaminhada para o Hospital Regional da cidade.

Hugleice foi preso na noite dessa quinta-feira (22), em Dourados – a 225 quilômetros de Campo Grande, pela PRF (Polícia Rodoviária Federal) na BR-163. Estava foragido após esfaquear a esposa em Mato Grosso.

Ele estava escondido em casa de parentes em Dourados, mas acabou preso na rodovia durante uma abordagem da PRF. O advogado de defesa, José Roberto da Rosa, não quis entrar em detalhes, mas confirmou que seu cliente está em uma delegacia da cidade detido.

Ao autor já havia sido alvo da mídia quando em 2011 foi acusado de esconder o corpo da cunhada, Marielly Barbosa Rodrigues, de 19 anos, em um canavial em Sidrolândia, em 2011 depois de um aborto malsucedido.

Sobre a tentativa de matar a esposa, o advogado teria dito que o cliente teria descoberto mensagens amorosas da esposa enviadas a outro homem, o que o teria deixado alterado. Segundo o advogado, ele teria desferido apenas um golpe de faca no pescoço da esposa, que foi levada para o hospital da cidade e seu estado de saúde é estável. “Ele disse que se arrepende e que estava nervoso no momento do crime”, falou Rosa.

Caso Marielly

O crime, que causou comoção em Campo Grande, veio à tona quando foi registrado o desaparecimento de Marielly Barbosa Rodrigues no dia 21 de maio de 2011. O corpo da jovem foi encontrado no dia 11 de junho em um canavial em Sidrolândia, já em adiantado estado de decomposição.

Em investigações, a polícia chegou à conclusão que Marielly foi vítima de um aborto malsucedido cometido pelo enfermeiro Jodimar Ximenez Gomes.

No inquérito que apurou a morte também foi apontada participação direta do cunhado, Hugleice da Silva, na época com 28 anos. Ele teria engravidado a jovem e contratado o enfermeiro Jodimar para realizar o aborto. Tudo como uma tentativa de encobrir a traição, já que a esposa de Hugleice era irmã de Marielly.

Durante a época das investigações, tanto a mãe quanto a irmã de Marielly afirmaram que colocariam a “mão no fogo” por Hugleice, e que ele não seria capaz de cometer o crime.