O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, reiterou para a imprensa, na quarta-feira (15), que o presidente da China, Xi Jinping, é “um ditador”. A declaração foi dada momentos depois de uma reunião de Biden com o Xi que durou mais de quatro horas – a primeira conversa entre os líderes em um ano.

“É um termo que usávamos antes. Ele [Xi] é um ditador no sentido de que é um cara que dirige um país comunista, que se baseia numa forma de governo completamente diferente da nossa”, respondeu Biden ao ser questionado por um repórter se ele ainda considerava Xi um ditador.

EUA e China concordam em substituir combustíveis fósseis aumentando as energias renováveis.

A China condenou as declarações. O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Mao Ning, disse: “este tipo de discurso é extremamente errado e é uma manipulação política irresponsável”. “Devo salientar que há sempre pessoas com segundas intenções que tentam semear a discórdia para arruinar as relações entre os Estados Unidos e a China e, neste caso, também não terão sucesso”, acrescentou o responsável.

Biden e Xi reuniram-se em São Francisco, na Califórnia, à margem de uma cimeira da APEC (Cooperação Económica Ásia-Pacífico). Ambos os líderes concordaram em restabelecer as comunicações militares em um esforço para diminuir as tensões. No encontro, os governantes também abordaram questões sobre Taiwan e chegaram a um acordo na luta contra o fentanil, no qual a China concordou em tomar medidas para reduzir a produção de ingredientes para o opioide sintético no centro de uma crise de saúde nos Estados Unidos. (Com agências internacionais).