Alguns críticos qualificam como o filme mais polêmico do ano, enquanto outros elogiam a sensibilidade ao falar de uma história baseada em fatos reais, em que um ex-agente federal embarca em uma perigosa missão para salvar a irmã de um menino, também tirado das mãos de traficantes de crianças. Em 2h15, é impossível não se emocionar com um tema tão cruel e sensível, de um crime hediondo que cresceu 70% este ano no Brasil, segundo dados do Ministério dos Direitos Humanos e Cidadania.

O personagem principal Tim Ballard é interpretado por Jim Caviezel. Enquanto policial, ele inicia atuando na investigação de um pedófilo, que integra uma rede de tráfico de crianças. Monitorando os passos do criminoso, descobre que ele tem um “catálogo de primavera” de vítimas e aguarda ele “carregar os arquivos” para efetuar a prisão em flagrante.

Na casa deste pedófilo, inclusive, são mostradas imagens de bonecas e livros, o qual chocam até os policiais e mostram o lado humano, o quanto eles também se envolvem quando é um assunto tão sensível como este. Um deles até fala: “Já peguei muitos assassinatos, mas, nada é como isso aqui”, diz.

‘Quando deito, só lembro do rosto delas’, diz policial

Trecho do filme Som da Liberdade, em cinema de Campo Grande. (Graziela Rezende/Jornal Midiamax)

Tim então é questionado pelo colega, respondendo que já prendeu 288 pedófilos, mas, ainda não tinha “recuperado nenhuma criança”. Foi quando o policial lhe disse: “Quando deito, só lembro do rosto delas, então, acho que não vou conseguir”. É aí que o até então agente se vê cada vez mais sozinho nestas buscas.

Em mais um dia de investigação, tem acesso a um vídeo de um pedófilo e se emociona logo após ele “ajustar o ângulo da câmera”. É aí que o profissional tem uma ideia de pegar o pedófilo preso e dizer que é um deles, que também tem “fantasias” e vai se mostrando com o mesmo perfil doentio, até conseguir informações com ele e o mandar de volta para cadeia.

Tim então pede uma semana de prazo para a chefia e diz que vai para Cartagena, na Colômbia, descobrir todo o cartel criminoso.

Neste momento, a esposa também o apoia e ele segue viagem, destinado a desvendar o destino das vítimas.

Um deles, o “ursinho Teddy”, vítima de abuso sexual, é recuperado e pede ajuda para achar a irmã, levada em um container para Cartagena.

O policial promove o encontro entre pai e filho no aeroporto, em uma cena emocionante, até que o pai pergunta: “Você conseguiria dormir sabendo que uma das camas dos seus filhos está vazia?” Já o garoto, agradecido, entrega a ele o colar que ganhou da irmã e ele segue com as investigações, descobrindo mais detalhes da quadrilha.

No auge da carreira, agente larga tudo e vai resgatar crianças

O chefe de Tim diz a ele que está “no auge da carreira”, já que trouxe o menino para os braços do pai, porém, ele quer ainda achar a menina e diz que possui “uma única chance de juntar os pedaços”. Mesmo com pouco recurso financeiro, embarca em uma aventura e engana a quadrilha dizendo que vai construir um hotel de luxo e encomenda 50 “franguinhos” (crianças).

Seduzidos com a oferta de ganharem muito dinheiro, os integrantes da quadrilha levam as vítimas para o local e lá o policial continua se passando por um americano multimilionário em busca de aventuras. Em certo momento, combina uma operação com a polícia e os criminosos são presos e 54 crianças são recuperadas. No entanto, a menina que ele tanto deseja devolver para os braços do pai não está entre as vítimas.

Ator Tim Ballard é interpretado por Jim Caviezel.(Graziela Rezende/Jornal Midiamax)

Mais uma vez, Tim não desiste e conta com a ajuda de mais dois companheiros, até embarcar em território rebelde como um suposto médico e lá achar a menina. Já na fase final, o drama mostra o número impressionante de crianças vítimas de abuso sexual no mundo, além do aumento do crime.

Para quem esperou após os créditos finais, Tim ainda deixa uma mensagem especial sobre o filme e diz que o verdadeiro protagonista não é ele e sim as crianças que inspiraram toda a história e lutaram para salvar “um ao outro”. E aí, acha que vale a pena conferir este drama? Em Campo Grande, está em cartaz em todas as redes de cinemas.

Veja o trailer de Som da Liberdade:

Leia também: