Chipa a R$ 1 na rua mais cara da Capital reúne clientes de todas as classes

Empresária diz que todo mundo é bem-vindo ao local
| 05/05/2015
- 13:19
Chipa a R$ 1 na rua mais cara da Capital reúne clientes de todas as classes

Empresária diz que todo mundo é bem-vindo ao local

O metro quadrado mais caro de Campo Grande mostrou que pode sim, surpreender. Em uma das esquinas da Rua Euclides da Cunha, quase chegando à Avenida Ceará – de quem segue sentido bairro, uma placa nos deixa em estado de choque. ‘Chipa: R$ 1,00’.

A primeira vista pode parecer piada, mas não. É sim uma plaquinha que anuncia a chipa, que integra a culinária local em virtude da fronteira com o Paraguai, vendida a 1 real para quem passa, trabalha ou assim como nós, do MidiaMAIS, estaciona só para conferir se é verídico.

A dona da chiparia, a empresária Vivian Pedra, 30, diz que pensou bastante antes de começar a vender as chipas e que toda a família colaborou. “Temos uma churrascaria aqui e este espaço estava vazio, pensamos em abrir uma pizzaria, mas houve imprevistos por parte da família e inventamos abrir alguma coisa durante o dia e investimos na chipa”, conta.

A ideia deu tão certo que em três semanas após a inauguração, a empresária teve que contratar mais funcionários para auxiliarem na produção. “No começo era eu e meus irmãos e dois funcionários, mas eu pensava que daríamos conta, só que a demanda começou a aumentar e de 200 chipas, passamos a vender duas mil por dia”, relata.

A chiparia que ainda não tem nome e que, segundo a dona, está em busca de um nome e aceita sugestões, tem uma produção de oito fornadas com 10 assadeiras industriais por dia.

Receita

Sobre a receita, Vivian diz que juntou receitas das tias, avós e até da funcionária da casa e foi sentindo, qual seria apropriada para o paladar do campo-grandense. “Fiz vários testes em casa, posso dizer que a turma lá de casa comeu muita chipa ruim para chegar a dar certo”, brinca.

Já o preço, 1 real para uma das ruas mais caras da cidade ela enfatiza: “Aqui tem muito comércio, tem obras e escolas… muita gente passa aqui, de empresários, políticos a mestres de obras, o espaço é para agregar a todos, não fazemos distinção de classe social, afinal, todo mundo (ou quase) da cidade conhece e gosta de chipa”.

Para acompanhar a protagonista do ambiente, a empresária vende também suco de fruta, caldo de cana, café com leite, cafezinho carioca e até chá mate gelado. 

Veja também

Em entrevista ao Venus Podcast, Maddu Magalhães falou sobre traições e disse que "foi bem ameaçada, com mensagens duras" por parte do youtuber

Últimas notícias