Na tarde desta sexta-feira (17), um adaptado para atendimento de saúde chegou à do Mandela, na região norte de Campo Grande, para atender os moradores. A iniciativa é voluntária da Cruz Vermelha e deve atender pessoas com sintomas decorrentes do incêndio.

Conselheiro da Cruz Vermelha Heubert Morinigo, 42 anos, afirma que mobilizou os voluntários para atender aos moradores que além de sintomas respiratórios em decorrência da inalação de fumaça, têm apresentado sintomas de abalo psicológico.

“Essas pessoas passaram por essas situações dramáticas com o incêndio e precisam de um tipo de apoio. Estamos com o ônibus aqui, mas temos desafios, como a necessidade de de remédios”, disse.

Em torno de 20 pessoas já foram atendidas nesta tarde e o incêndio que destruiu dezenas de barracos expõem ainda outra situação, a perca de receitas de remédios controlados pelos moradores.

Dessa forma, a Cruz Vermelha pede doação de medicamentos, que incluem analgésicos, como paracetamol, ibuprofeno, diclofenaco, nimesulida, dipirona. Antibióticos, como amoxicilina e cefaletoina. Medicamentos para sintomas respiratórios, corticoides e materiais de curativo, como gases e esparadrapos.

(Foto: Alicce Rodrigues, Jornal Midiamax)