O Corpo de Bombeiros ainda continuam a desobstruir ruas que foram fechadas por árvores que caíram antes e até depois da chuva que atingiu Campo Grande na quarta-feira (4).

Na tarde desta quinta-feira (5), equipe de militares estavam fazendo a retirada de uma árvore que caiu na Avenida Georges Chaia, próximo à Rua Caiçara, na Vila Piratininga. O exemplar estava obstruindo parte na via no sentido bairro/centro.

A árvore caída exigia atenção redobrada dos motoristas, já que alguns precisavam desviar pela contramão para continuar o trajeto. O serviço de retirada leva em torno de 15 a 20 minutos.

Conforme Nailda Paz, de 64 anos, que mora no local, a árvore caiu na terça-feira (4), por volta das 17h. Possivelmente o exemplar caiu pelo solo muito umedecido pela chuvas e falta de sustentação da árvore.

chuva
Árvore caída na Vila Piratininga (Foto: Nathalia Alcântara/Jornal Midiamax)

Decreto de emergência

O setor jurídico do gabinete da Prefeitura Municipal de Campo Grande avalia decretar situação de emergência após as chuvas que acumularam prejuízos na Capital. A afirmação foi feita pelo titular da Sisep (Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos), Rudi Fiorese, na manhã desta quinta-feira (5).

O secretário realizou uma visita com equipe técnica e de engenheiros na passarela do Lago do Amor, que desmoronou com a chuva, e é considerada a obra mais cara para fins de reparação. “A maioria dos serviços não são caros porque são apenas de limpeza”, afirma Rudi Fiorese.

O alto volume de chuvas em Campo Grande nos últimos quatro dias levou a Capital atingir 88% do acumulado esperado para janeiro, de 231,9 mm. Nas últimas 96 horas, o município registrou uma precipitação de 204,2 mm. O levantamento foi realizado pelo Cemtec (Centro de Monitoramento do Tempo e Clima de Mato Grosso do Sul).