Trecho da Avenida Duque de Caxias, em frente ao CMO (Comando Militar do Oeste), em , está intransitável na tarde deste domingo (8). O número de manifestantes que se deslocam até o local não para de aumentar.

A reportagem do Jornal Midiamax observou que em instantes, uma área usada como estacionamento nas redondezas, que estava vazia, ficou lotado de veículos, tamanha a quantidade de manifestantes que ocuparam as faixas de rolamento na Avenida Duque de Caxias.

Uma viatura da Polícia Militar está passando pelo local e fazendo o monitoramento. Não há registros de violência. Confira imagens:

Concentração de manifestantes no CMO - (Foto: Ranziel Oliveira/Midiamax)
Concentração de manifestantes no CMO – (Foto: Ranziel Oliveira/Midiamax)

Movimento em Campo Grande

A movimentação no Centro começou por volta das 14 horas e foi organizada pelas redes sociais durante a última semana. Da Praça do Rádio, os manifestantes seguiram até o CMO, onde estiveram acampados por mais de dois meses.

Os manifestantes desmontaram o acampamento na Duque de Caxias no último dia 4, conforme previsto, mas retornam ao local neste domingo (8), inflados pelos atos em (DF).

Assim como em outros atos, os manifestantes vestem roupas verdes e amarelas e carregam bandeiras do Brasil, além de faixas.

Com a repercussão da manifestação e o grande número de participantes, equipes da Polícia Militar e Batalhão de Choque seguem para o CMO e devem monitorar o movimento.

Apoiadores de Jair Bolsonaro voltaram ao CMO poucos dias após desocuparem avenida - (Foto: Ranziel Oliveira/Midiamax)
Apoiadores de Jair voltaram ao CMO poucos dias após desocuparem avenida – (Foto: Ranziel Oliveira/Midiamax)

Manifestações em Brasília

Apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro se mobilizaram até a Esplanada dos Ministérios e invadiram o Congresso Nacional pedindo a do presidente Luiz Inácio Lula da Silva na tarde deste domingo (8).

Além da prisão do presidente, os manifestantes pedem intervenção militar e a volta do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) ao poder. Faixas com as inscrições “Lula na cadeia”, “intervenção militar”, “supremo é o povo” e “Bolsonaro presidente” foram erguidas na manifestação. Houve depredação de patrimônio público.

O Congresso e o STF foram depredados e a polícia dispersou a manifestação em Brasília. Por fim, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) decretou a intervenção federal no até o dia 31 de janeiro, para conter e precaver atos antidemocráticos. (Matéria atualizada às 18h45 para acréscimo de informação).