Anaurilândia, cidade localizada 377 km de Campo Grande, comemora no dia 11 de novembro de 60 de emancipação política. Mas as festividades terão início nesta quinta-feira (9), com a 20ª Festa do Peão “ENCONTRO DE CAMPEÕES”.

A abertura oficial será às 19h30, no Parque de Exposição Maurício Thomazini do município, com a celebração da Santa Missa. O rodeio será iniciado às 21h, com os melhores competidores do Brasil. Logo em seguida haverá o show da dupla Brenno Reis e Marcos Viola e em seguida a festa fica por conta do JD Magrão.

A festa irá até dia 11 de novembro com mais atrações como Maria Cecília e Rodolfo, Júlia Neves, Day&Lara, Banda MDO com entrada franca.

História

Em 1916 vieram para a região Ciriaco Gonzáles e o Major Cecílio Manoel da Costa Lima, ambos se radicaram às margens do Riacho Quiteroizinho. Ciriaco Gonzáles foi influenciado por seu cunhado Deocleciano Paes (então irmão da esposa de Ciriaco Gonzáles, Anaurelíssia Gonzáles) a lotear parte da fazenda Água Amarela, onde foi edificado um povoado, dando origem a Vila Água Amarela. Luciano da Costa Lima, outro pioneiro e desbravador, foi o fundador do Distrito Quebracho.

A principal fonte de economia da região era a exploração da erva-mate, planta nativa da região. O principal ervateiro foi Eduardo Fernando dos Santos, representante da Companhia Mate Laranjeira. Até então as pessoas tomavam apenas mate (chimarrão ou tereré), mate doce ou chá-mate. Foi quando José Martins trouxe o primeiro café para Anaurilândia.

O primeiro porto de navegação da região foi o porto Sete de Setembro, descoberto por uma caravana de 900 soldados agregados por Ciriaco Gonzáles e Cristino Severino da Silva. Os soldados foram comandados por José Lito.

Edufo Quinhone foi o pioneiro no setor do comércio, trazia mercadorias de São Paulo através do porto São José para comercializar na região. Vendia calçados, peças de tecidos, ferramentas, munição e remédios.

Em 11 de novembro de 1963 ocorre o desmembramento da Vila Água Amarela que passa a se chamar município de Anaurilândia, sendo uma homenagem à esposa de Ciriaco Gonzáles, Anaurelíssia Gonzáles.