Com três casos confirmados em Campo Grande, os moradores estão em alerta para uma nova ameaça à saúde: uma nova cepa do vírus Influenza. Em alerta para epidemia, Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), disse que estuda a possibilidade de incluir vacinação contra a gripe no Aeroporto Internacional e na Rodoviária da Capital.

Conforme explicou a secretaria via comunicação, a imunização contra a gripe seria integrada nos polos instalados na barreira sanitária nos terminais de desembarque dos passageiros que chegam em Campo Grande. 

Ao longo de todo o ano de 2021, Campo Grande ainda não havia registrado nenhum paciente infectado pela gripe. Com o distanciamento e o uso de máscaras na pandemia, a gripe também acabou sendo ‘eliminada’ por tabela, contudo a Influenza volta a se espalhar no país neste fim de ano e a Capital registra os primeiros casos nesta semana.

A secretaria ainda informou mais cedo que os primeiros casos confirmados de Influenza foram registrados na quinta-feira (16). “Ontem chegou ao conhecimento da secretaria os primeiros casos confirmados de Influenza no município, foram três, sendo que um deles é de paciente que veio do Rio de Janeiro”, divulgou, em nota.

Diferenças entre a gripe e a Covid

No caso da gripe, o infectado costuma ficar muito mal no início da doença, em até 48 horas, com muita febre, explicou a infectologista Jamal Suleiman. Quando o caso é de Covid, essa situação é menos comum no começo.

A indisposição de uma pessoa gripada é grande já no princípio. O acometimento pela gripe costuma durar de sete a dez dias. No caso da Covid-19, a pessoa normalmente tem dores musculares que duram, às vezes, horas e desaparecem. Ao longo dos dias, mais sintomas podem aparecer: do quinto ao oitavo dia, o paciente pode perder o paladar e olfato.

No décimo dia, se o paciente for ter uma evolução ruim da Covid, ele começa a sentir uma maior falta de ar, afirma a médica Lorena de Castro Diniz, coordenadora do Departamento Científico de Imunização da Asbai (Associação Brasileira de Alergia e Imunologia).

Outra confusão comum é com o resfriado, condição causada por outro vírus. Nesse caso, porém, os sintomas são brandos, como uma obstrução nasal discreta, por exemplo, diz Suleiman.

Os principais sintomas da gripe costumam aparecer em 24 ou 48 horas. É nesse período que a pessoa gripada deve procurar ajuda médica. Diniz explica que o tratamento pode incluir antivirais, como o oseltamivir (conhecido pelo nome comercial Tamiflu).

Tratamento

Procure atendimento médico assim que surgirem os primeiros sintomas. Segundo Diniz, o vírus Influenza é tão grave quanto o coronavírus.

“Alguns pacientes com comorbidades, cardiopatas, hipertensos ou diabéticos podem descompensar a doença primária”, diz a médica, citando quadros que podem levar, inclusive, a internações.

De acordo com a imunologista, são vistos altos índices de infarto em pessoas infectadas pela Influenza que tenham alguma cardiopatia. Há risco também de AVC (acidente vascular cerebral).

A Influenza sazonal já era esperada. Suleiman lembra que as pessoas passaram os dois últimos invernos relativamente protegidas, com uso de máscaras e sem aglomerar. Com a flexibilização, diz, vírus como o da Influenza passam a circular mais. “Agora com a retomada, com as escolas funcionando e com o arrefecimento da circulação do novo coronavírus, surgiu uma janela, uma oportunidade de outros vírus emergirem”, completa Kfouri.

Segundo os especialistas, o melhor a ser feito neste momento para evitar a gripe é continuar com os mesmos cuidados contra a Covid, ou seja, uso máscaras, evitar aglomerações, lavar as mãos e usar álcool em gel.

Como se prevenir?

Para se proteger contra a nova variante da gripe, as medidas de prevenção continuam as mesmas. Seguir com o uso de máscaras é importante, não só para evitar a contaminação pelo coronavírus, mas também para prevenção contra a H3N2. Além disso, apesar da vacina contra a gripe disponível atualmente não incluir a variante Darwin, ela ainda possui a Influenza H3N2 em sua composição, o que pode ajudar a evitar sintomas mais intensos.

As outras medidas de prevenção à gripe também seguem recomendadas:

  • Lave as mãos com água e sabão ou use álcool em gel, principalmente antes de consumir algum alimento;
  • Utilize lenço descartável para higiene nasal;
  • Cubra o nariz e a boca ao espirrar ou tossir;
  • Evite tocar mucosas de olhos, nariz e boca;
  • Não compartilhe objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas;
  • Mantenha os ambientes bem ventilados;
  • Evite contato próximo a pessoas que apresentem sinais ou sintomas de gripe;
  • Evite sair de casa em período de transmissão da doença;
  • Evite aglomerações e ambientes fechados (procurar manter os ambientes ventilados);
  • Adote hábitos saudáveis, como alimentação balanceada e ingestão de líquidos.

*Com informações da Folha de S.Paulo.