Iniciada em 2018, a obra de revitalização da Avenida Ernesto Geisel foi retomada e tem previsão para ser concluída apenas em 2022. A obra passou por problemas ao longo dos anos com empreiteira sem funcionários, falta de repasse do Governo Federal e também danos devido às chuvas, onde encosta chegou a desmoronar em fevereiro de 2020.

De acordo com a Prefeitura Municipal, atualmente os operários trabalham na conclusão da implantação do interceptor de esgoto e nos próximos dias, deverá ser refeito o pavimento da avenida, além de iniciada a construção do muro de gabião na margem do Rio Anhanduí, sentido bairro-centro.

Devido o cronograma também incluir interferências às margens do rio, por diversas vezes precisou reajuste devido às chuvas. Devido ao volume que se acumula e força das águas, por muitas vezes obra permaneceu pausada.

Em fevereiro de 2020, parte da contenção de concreto da encosta e também da calçada cedeu após a chuva. Além de parte da encosta de concreto ceder, levando várias placas de cimento para dentro do rio, trecho da calçada, que fica na avenida próximo da Rua Santa Adélia, no bairro Cohafama, também cedeu. A proteção metálica que estava instalada no local também caiu no rio.

A revitalização da Ernesto Geisel e do Rio Anhanduí é de responsabilidade de duas empresas, a Gimma Engenharia e a Dreno Construções, que venceram a licitação orçada em R$ 26,5 milhões em 2018, sendo que o ‘ponta-pé’ da obra aconteceu no mesmo ano.

Segundo informações anteriores da Sisep (Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos) já foi executado o valor de R$ 14,4 milhões em 57% da obra. No lote 3, a obra é feita entre as ruas Bom Sucesso e do Aquário. A obra conta com investimento de R$ 15,5 milhões, já foi executado o valor de R$ 7,2 milhões em 46% da obra.