A oficial de inteligência da Abin (Agência Brasileira de Inteligência) Nilza Amy Yamasaki foi exonerada do cargo de Secretária-Executiva de Orientação e Defesa do Consumidor da Secretaria de Estado de Assistência Social e dos Direitos Humanos. A exoneração foi publicada nesta segunda-feira (4) no Diário Oficial do Estado.

No seu lugar, ficará Antônio José Angelo Motti, que ocupava o cargo de Diretor-Presidente da Fundação Escola de Governo de Mato Grosso do Sul. Antes, Angelo recebia pelo CCA-04. Com a mudança de cargo, passará a receber pelo CCA-01, correspondente a R$ 28.401,90 de salário.

Já como diretora-presidente da Fundação Escola de Governo de Mato Grosso do Sul ficará Ana Paula Martins Pereira de Assunção, que ocupava o cargo de Assessor Especial I, na Secretaria de Estado de Governo e Gestão Estratégica. A servidora continuará a receber pelo CCA-02, salário correspondente a R$ 11.200,00, com adicional de até 80%.

Nomeada em março

Nilza foi nomeada em março pelo governador de Mato Grosso do Sul, Eduardo Riedel (PSDB). Nilza é servidora da Abin (Agência Brasileira de Inteligência) e se licenciou da autarquia federal para assumir o cargo no Estado. Até então, o Procon estava sem um secretário-executivo efetivo.

Até 2022, ela atuava na SPU (Secretaria do Patrimônio da União), vinculada ao Ministério da Fazenda. Ela é graduada em Direito pela UCDB (Universidade Católica Dom Bosco) e em Jornalismo pela UEL (Universidade Estadual de Londrina).

Segunda vez em MS

No fim de fevereiro, o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Marco Edson Gonçalves Dias, assinou portaria que cede Nilza para o Governo do Estado. A remuneração dela ficará a cargo da União.

Não é a primeira experiência profissional da servidora em Mato Grosso do Sul. Em 2019, ela foi designada como assessora de reitor na UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul).