O MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) instaurou inquérito civil para apurar possíveis problemas na estrutura física e tecnológica do CEM (Centro de Especialidades Médicas) de Campo Grande.

O órgão instaurou inquérito após denúncia realizada pelo vereador Prof. André Luiz (Rede).

Em ofício enviado para Procurador-Geral de Justiça de Mato Grosso do Sul, Alexandre Lacerda, o vereador afirma ter encontrado diversos problemas na estrutura do CEM. Como:

  • Forros de gessos quebrados e danificados;
  • Infiltrações por toda a extensão da unidade;
  • Necessidade de revitalização da pintura;
  • Determinados banheiros interditados e sem acessibilidade;
  • Portas antigas e danificadas;
  • Cadeiras em condições precárias de uso;
  • Computadores obsoletos;
  • Bebedouro desativado;
  • Pisos quebrados;

André Luiz enviou o ofício em dezembro do ano passado. No mesmo mês, o Ministério Publico do Estado abriu o Inquérito Civil, divulgado nesta semana em Diário Oficial.

A promotora da 32ª Promotoria de Justiça da Saúde Pública, Daniela Costa da Silva, assina a instauração do inquérito.

De acordo com Daniela Costa, o prazo de conclusão da notícia de fato esgotou. Entretanto, as irregularidades persistiram no CEM, afetando interesses da coletividade.

“Assim, a necessidade de fiscalizar a qualidade dos serviços prestados pelo CEM, bem como a observância das regras sanitárias vigentes pelo referido Centro de Especialidades Médicas”, considerou a promotora.

Em nota, a Sesau (Secretaria Municipal de Campo Grande) informou que reforma de todo o complexo do CEM (Centro de Especialidades Médicas) está dentro do planejamento para os próximos dois anos.

Por fim, a secretaria explicou que a unidade deverá passar por intervenções em toda a parte estrutural.