Após 22 anos, Energisa é condenada por cobrança retroativa da troca de 5 mil medidores

Além da cobrança, consumidores ficaram sem energia
| 27/06/2022
- 17:46
cobrança
Foto: Ilustrativa | Reprodução.

A Enersul (Empresa Energética de Mato Grosso do Sul S.A) — atual Energisa — foi condenada por cobrar de forma retroativa a troca de medidores de energia. Mais de 5 mil equipamentos foram trocados pela empresa em Mato Grosso do Sul. O processo contra a empresa foi aberto em 2000.

O inquérito civil foi aberto para apurar condutas abusivas praticadas contra os clientes da empresa, que realizava a cobrança. Após 22 anos do processo, a sentença foi publicada no DJMS (Diário da Justiça de Mato Grosso do Sul) nesta segunda-feira (27).

A sentença foi proferida pelo juiz Ariovaldo Nantes Corrêa, da 1ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos. A empresa foi condenada a “não efetuar cobrança do débito de de consumo efetivo por fraude e a respectiva suspensão do fornecimento de energia”.

Cobrança

Por até dois anos, a Enersul cobrou continuamente a troca de medidores, considerados defeituosos ou fraudados pela empresa. O juiz destacou que não foi dado o direito de defesa aos consumidores, que tiveram os equipamentos vistoriados “pela requerida unilateralmente”.

Segundo o processo, foram substituídos 5.003 medidores de consumo ‘supostamente defeituosos ou fraudados’. Em 3.027 unidades, o fornecimento de energia foi interrompido e 74 unidades precisaram de ordem judicial para serem religadas.

A falta de energia foi apontada pelo juiz como ilegal. “O procedimento foi ilegal, uma vez que não decorreu de comprovação da irregularidade mediante o devido processo legal”, explica.

Energisa assume concessão

Desde 2014, a assumiu a concessão do fornecimento de energia elétrica no Estado. Assim, a empresa destaca que "trata-se de um procedimento iniciado no ano de 2000, e posteriormente, convertido em processo judicial em 2005".

Ao Jornal Midiamax, a Energisa afirmou que todas as obrigações da sentença são cumpridas conforme resolução da ANEEL. “Não efetuar a cobrança de débito da recuperação de consumo efetivo por fraude e respectiva suspensão de energia, exceto se verificado a irregularidade e apuração de débito, mediante processo administrativo com contraditório e ampla defesa”, apontou a empresa.

Veja também

Segundo o extrato, o contrato tem valor de R$ 721 mil

Últimas notícias