A Câmara Municipal de Campo Grande validou moção de pesar pela morte do ex-prefeito Heitor Miranda, apresentada pela vereadora Camila Jara (PT). Ele faleceu na quarta-feira (23), aos 69 anos, depois de piora no quadro de saúde.

“Ele tinha problemas cardíacos e a situação se agravou. Ele era filiado ao PT e um ícone pela Rota Bioceânica“, leu a vereadora, durante sessão na Casa de Leis, nesta quinta-feira (24).

O presidente vereador Carlos Augusto Borges, conhecido como Carlão (PSB), pediu para que a moção fosse pela Câmara Municipal.

Heitor Miranda

Conforme apurado pelo Jornal Midiamax, Heitor estava internado em Campo Grande desde o começo de novembro e seu estado de saúde era delicado. Na terça-feira (22), teria tido uma piora e faleceu nesta quarta-feira. As causas da morte ainda não foram divulgadas.

Em junho, Heitor, que tinha problemas pulmonares, contraiu covid-19 e ficou internado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) de hospital da Capital. Ele já havia tomado as quatro doses da vacina contra a doença.

Vida em Porto Murtinho

Heitor nasceu em Porto Murtinho no dia 28 de abril de 1953. É filho de Orcírio dos Santos e Assunção Miranda dos Santos. Casado com Myrian Conceição Silvestre dos Santos, atualmente morava em Campo Grande.

Em 12 de dezembro de 1979, foi nomeado para exercer o cargo de Promotor de Justiça da primeira entrância na comarca de Coxim. Prestou compromisso e posse em 20 de dezembro de 1979.