Se PSB não ficar com PT, Ayache será meu candidato a vice, diz Marquinhos

Chapa só não será possível se a federação cogitada entre PSB e PT nacionais for formalizada
| 11/02/2022
- 13:01
Ricardo Ayache
Ricardo Ayache, no microfone, em 2020, quando anunciou apoio à reeleição de Marquinhos Trad, primeiro da foto à esquerda. - (Foto: Divulgação, Arquivo).

Pré-candidato ao Governo de Mato Grosso do Sul, o prefeito de Campo Grande, (PSD), confirmou Ricardo Ayache (PSB) como possível candidato a vice-governador em sua chapa. "Já está consolidado", disse nesta sexta-feira (11). A única pendência, no entanto, é a possibilidade de federação que o PSB nacional cogita com o PT que, se confirmada, põe fim à parceria local.

"Na elaboração do nosso programa de trabalho, vimos a necessidade de um técnico qualificado, com serviços prestados e reconhecidamente competente na área de saúde pública, com preparo moral e, sobretudo, ficha limpa. Encontramos o nome de Ricardo Ayache", afirmou Marquinhos.

Segundo o prefeito, o médico, que preside atualmente a Cassems (Caixa de Assistência dos Servidores), já foi consultado sobre o assunto e aceitou o convite, restando apenas a resolução sobre federação — o prazo máximo para formalização é 31 de maio.

"Ele disse que só não se consolidaria caso viesse um pacto federativo do partido dele impondo uma união com outra sigla diferente da nossa, caso contrário, já poderia anunciar que será eu e ele".

Nacionalmente, PT e PSB têm feito reuniões para destravar as negociações que esbarrariam, principalmente, na divergência sobre quem será o cabeça da chapa no Governo de São Paulo.

Como pré-candidato a presidente, os petistas têm Lula e o PSB indicaria um candidato a vice — este partido está dividido quanto à formalização da federação. Maioria dos deputados federais seria a favor, além de três governadores da legenda, mas outras lideranças, contrárias.

Neste caso, eventual aliança que possa a ser formada em âmbito nacional valerá para as executivas de todos os estados brasileiros, portanto, cancelaria possibilidade entre PSB e PSD de MS.

Veja também

Ataíde Feliciano da Silva perdeu mandato por acusação de compra de votos, ao fazer 2 doações de combustíveis a eleitores

Últimas notícias