O jornalista André Luiz Azevedo será o mediador do Debate Midiamax entre os candidatos ao Governo de Mato Grosso do Sul, que acontece nesta segunda-feira (19), às 20h. O debate entre os políticos será transmitido em tempo real para os 79 municípios do Estado.

Os oito candidatos ao Governo do Estado, que são Adônis Marcos (Psol), André Puccinelli (MDB), Capitão Contar (PRTB), Eduardo Riedel (PSDB), Giselle Marques (PT), Magno de Souza (PCO), Marquinhos Trad (PSD) e Rose Modesto (União) – já confirmaram presença no evento.

Ao Jornal Midiamax, Azevedo destaca que mediou o debate no Rio de Janeiro para a primeira eleição direta a governador no Brasil após os anos 60. “Foi um momento muito marcante para a democracia, porque teve virada na eleição do Leonel Brizola em 1982. E na época eram outros moldes. A população fazia perguntas na rua para os candidatos”, lembra.

Desde então, media debates pelo Brasil pela Rede Globo, onde atuou até 2019. “Depois que deixei a Rede, atuo como ainda como mediador, agora em um trabalho de jornalismo como freelancer”, explica. André Luiz ainda cobriu as últimas eleições presidenciais pela emissora.

O mediador já esteve em Mato Grosso do Sul em coberturas especiais sobre conflitos indígenas em , garimpos, caçadores de jacarés e crimes ambientais no Pantanal.

Sobre o Debate Midiamax, André Luiz espera ser o menos notado. ” Quanto menos o mediador aparecer, melhor. É bom ter um mediador de fora, porque ele atua livremente, como um juiz, para que as pessoas percebam que eu sirvo para encaminhar as perguntas, cuidar do tempo. Esse é um espaço sagrado para os candidatos mostrarem suas propostas”, avisa.

Carreira do mediador

André Luiz Azevedo é jornalista premiado e atuou por quase 40 anos na Rede Globo, onde cobriu a morte de Tim Lopes, a rebelião no Presídio Bangu 1 e foi correspondente internacional. Começou a trabalhar na Rádio JB, onde ficou por oito anos.

Em dezembro de 1981, substituiu um colega que entrava de férias na Editoria Rio, na Globo. E ficou. Foi um dos primeiros repórteres a trabalhar no Globo Cidade e, em 1982, contratado como repórter especial, cobriu as eleições para governador no Espírito Santo e no , quando acompanhou as investigações do escândalo da Proconsult.

Tornou-se editor-chefe e apresentador do RJTV – 3ª Edição. André participou da cobertura da campanha das Diretas Já, em especial do Comício da Candelária, da eleição de Tancredo Neves e, em seguida, cobriu sua doença e morte.

Em 2001, uma reportagem sobre a mercantilização das universidades particulares, quando o jornalista acompanhou o caso de um analfabeto aprovado no de duas faculdades no lhe rendeu o Prêmio Embratel de Jornalismo.

Em 2002, André Luiz estava na equipe que cobriu o sequestro e a morte do jornalista Tim Lopes, executado por traficantes na Vila Cruzeiro, no Rio de Janeiro. A cobertura da morte de Tim Lopes, segundo André, significou “um corte emblemático”, segundo André.

“Até a morte de Tim, a gente cobria regiões de conflito em duas oportunidades. Na questão policial, com a presença da polícia ou até fazendo alguma coisa sobre o tráfico; e cobria os problemas de interesse da comunidade, com autorização do tráfico para entrar na favela. A partir da morte do Tim, a gente não podia mais pedir autorização porque isso era legitimar o poder do tráfico. A gente não entra. E, se a gente não entra, relega essa parcela da sociedade ao esquecimento”. Mas, para André, isso deixou mais claro o papel de cada um – quem está de um lado, quem está do outro.

Em 2006, viajou como enviado especial para a Bolívia, na fronteira com Mato Grosso do Sul. No dia 1º de maio, o presidente Evo Morales declarou que “a propriedade do gás natural passava para as mãos do Estado boliviano.” No dia seguinte, tropas do Exército invadiram uma refinaria da Petrobras, entre outros acontecimentos, na cidade de Santa Cruz de La Sierra.

Em 2011, André passou a integrar a equipe do JN no Ar, projeto do jornalismo de viajar em um avião especial por todas as regiões para retratar os principais problemas do país. 

Em 2012, André Luiz Azevedo tornou-se correspondente da Globo de Portugal. Entre os fatos que cobriu estão a crise econômica, a repercussão na Europa do sorteio das chaves da Copa do Mundo de 2014, a renúncia do Rei Juan Carlos da Espanha após 39 anos de reinado e os ataques ao jornal Charlie Hebdo e a um supermercado judaico, na França. Dezessete pessoas foram assassinadas pelos terroristas nestes atentados que ocorreram em janeiro de 2015.

No dia 15 de dezembro de 2015, o jornalista se despediu de Portugal em uma participação no telejornal Hora Um. Ele deixou o escritório da Globo na Europa para retornar ao Rio de Janeiro onde fez reportagens especiais.

Debate Midiamax

Debate Midiamax ocorre às 20 horas da próxima segunda-feira e será transmitido em tempo real para os 79 municípios do Estado pela TV UOLhome do Jornal MidiamaxFacebookYouTube, TVE, TV Imaculada, Rádio Difusora Pantanal e Rádio independente 90,9 Ind FM, além de um pool de rádios do interior de Mato Grosso do Sul.

Os oito candidatos ao Governo do Estado Adônis Marcos (Psol), André Puccinelli (MDB), Capitão Contar (PRTB), Eduardo Riedel (PSDB), Giselle Marques (PT), Magno de Souza (PCO), Trad (PSD) e Rose Modesto (União) já confirmaram presença no debate.

Além de poder acompanhar o debate ao vivo no site do Jornal Midiamax, haverá também transmissão em tempo real no canal do YouTube e na página no Facebook, contando com transmissão nacional pela página do UOL.

A TVE (Canal 4.1 em Campo Grande, 13.1 em Dourados e Região e Canal 15 da NET) vai retransmitir o sinal. Ou seja, a partir das 20h do dia 19 de setembro será possível assistir ao debate na íntegra nesses canais.

Além disso, o debate será transmitido na TV Imaculada Conceição (Canal 15.1 UHF e 521 da NET em Campo Grande), na Rádio Difusora Pantanal (101.9 FM) e também poderá ser acompanhado em tempo real por eleitores dos 79 municípios sul-mato-grossenses, em diversas outras emissoras do Estado que vão transmitir o evento.

As regras e temas do debate foram definidos durante reunião com representantes dos candidatos. O debate acontecerá em cinco blocos, seguindo um modelo aprovado pelos candidatos.