Justiça nega e aposentado não consegue voltar reajuste no salário de prefeito e vereadores

Juiz tem como base súmula do STF
| 26/04/2017
- 14:42
Justiça nega e aposentado não consegue voltar reajuste no salário de prefeito e vereadores

Juiz tem como base súmula do STF

Foi indeferido o pedido do auditor fiscal aposentado, Nilson Ambrósio Caldeira, para anular a lei que derrubou aumento salarial para prefeito, vice, secretários, procurador-geral e titulares de entidades de administração indireta em dezembro do ano passado. A decisão do juiz Alexandre Tsuyoshi Ito foi embasada em súmula do STF (Supremo Tribunal Federal).

“Tal pretensão não merece prosperar. Isso porque tal pleito encontra obstáculo no que dispõe a Súmula n. 266 do Supremo Tribunal Federal, a qual detém o seguinte texto: “não cabe Mandado de Segurança contra lei em tese”. Assim, deve o presente remédio constitucional ser extinto, sem resolução de mérito. Ante o exposto, diante da constatação da inadequação da via eleita, nos termos do art. 10 da Lei n. 12.016/2009, indefere-se a inicial do presente mandado de segurança”.

Caso – No final de 2014 a Câmara Municipal aprovou reajuste aos salários do prefeito, vice, secretários, bem como dos próprios vereadores, mas que passaria a valer em janeiro de 2017. Diante de protestos, crise política e financeira, os legisladores fizeram novo texto em dezembro de 2016, invalidando o aumento em entraria em vigor no mês seguinte.

Mas, o autor da ação alega que tanto a LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias), quanto a LOA (Lei Orçamentária Anual), que tramitaram em 2016 para aplicação em 2017, foram feitas com todas as previsões pautadas nos termos do texto que promoveria o aumento salarial a partir de janeiro deste ano.

Aponta, ainda, que a votação da matéria que anulou a elevação das remunerações em questão foi feita “no apagar das luzes do mandato exercido” ferindo o regimento interno da Casa de Leis.

Conta na inicial que o projeto deu entrada no Legislativo no dia 20 de dezembro de 2016 e “em uma súbita adoção de todos os esforços possíveis e necessários, 20 dos 29 vereadores da casa, solicitaram à mesa diretora da casa que fosse colocado em regime de urgência o referido projeto de lei”.

Por fim, explica que, na condição de auditor fiscal aposentado, tem remuneração em porcentagem limitada ao teto do prefeito, portanto “teve seus direitos líquidos e certos atingidos diretamente com a medida legal viciada e nula mencionada”. Sendo assim, se a lei que aumentaria os salários do Executivo estivesse em vigor “o subsídio financeiro mensal da categoria representada pelo autor estaria devidamente acobertado”.

Veja também

Partido ainda não conseguiu nomes para concorrer a deputado federal

Últimas notícias