A conduta do candidato que concorre ao cargo de conselheiro tutelar em Campo Grande, que atua como técnico de enfermagem e é acusado de agredir uma criança será analisada pela Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), através de um processo administrativo.

O profissional é acusado de agredir uma de 9 anos durante um atendimento em uma UBSF (Unidade Básica de Saúde da Família) da Capital, no dia 30 de agosto deste ano. A Sesau informou que o técnico deverá prestar os devidos esclarecimentos sobre o ocorrido. “Ele deverá prestar os devidos esclarecimentos sobre o ocorrido e a Sesau irá prosseguir com os trâmites necessários e instauração de sindicância”.

Por sua vez, a secretaria ressaltou que não compactua com o ato. “A Sesau reitera que não compactua com qualquer conduta que esteja em desacordo com os códigos de ética e com os preceitos do bom atendimento no serviço público”.

Entenda o caso

Segundo o boletim de ocorrência registrado pela mãe da criança, ela levou o filho até a unidade de saúde para a retirada de pontos na cabeça dias depois de uma cirurgia. O técnico de enfermagem foi quem atendeu o menino. A mãe relata que ele disse que o procedimento iria “doer muito”.

O profissional ainda falou que iria sair sangue e que precisaria de cinco pessoas para segurar a criança. A criança ficou chorando e foi agredida pelo técnico com um tapa no ombro e outro na cabeça, além de mandar que ficasse quieta.

À reportagem do Jornal Midiamax, o técnico de disse que desconhece a denúncia e relacionou a situação a um possível ato intencional para prejudicar sua campanha ao cargo de conselheiro tutelar.

Por meio de nota, o (Conselho Regional de Enfermagem) disse que “todas as denúncias vão para a Câmara de Ética para análise, caso seja admitido, é aberto um processo ético disciplinar para apuração dos fatos”.

O caso está em segredo de justiça por envolver criança e foi registrado como .

Eleições para o representantes do Conselho Tutelar de Campo Grande

As eleições para a escolha de novos representantes do Conselho Tutelar de acontecem em 1º de outubro. São 56 locais de votação distribuídos conforme a zona eleitoral para eleger 40 conselheiros titulares e 80 para suplentes.

A atuação do Conselho Tutelar, sobretudo em casos de violência contra criançastem sido questionada com mais ênfase nos últimos meses. Dois casos ganharam destaque no começo de 2023 e expuseram o papel do conselheiro tutelar diante de casos de violência.

Por outro lado, o Conselho Tutelar expõe a sobrecarga do sistema e a necessidade de aumentar o número de conselheiros para dar conta da demanda atual