A Semu (Subsecretaria de Políticas para a Mulher) realizou a abertura da campanha ‘21 dias de ativismo pelo fim da violência contra as mulheres’ na manhã desta terça-feira (21) na Casa da Mulher Brasileira em Campo Grande. A campanha mundial já iniciou, mas em Campo Grande começa nesta terça e segue até o dia 6 de dezembro com diversas ações.

Durante o lançamento da campanha, foi apresentado o resultado do programa ‘Recomeçar’, que trabalha na reeducação de homens, autores de violência contra a mulher, como preconiza a Lei Maria da Penha, além da assinatura do Termo de Cooperação Técnica com o TRT (Tribunal Regional do Trabalho).

A subsecretária da Semu, Carla Stephanini, explica que além da educação é importante dar efetividade à Lei Maria da Penha como combate e prevenção aos crimes de violência contra a mulher. “Quanto mais nós darmos efetividade a Lei Maria da Penha, mais nós vamos evoluir no enfrentamento da violência contra a mulher para lá na frente podermos alcançar a redução dos crimes, porque a nossa missão é prevenir, punir e erradicar a violência contra a mulher e a campanha é isso. É prevenção e a casa [Casa da Mulher Brasileira] é o acolhimento”, explicou.

Dentre as diversas ações previstas na campanha, em destaque estão a apresentação do resultado do programa ‘Recomeçar’ que foi implantado há um ano em termo de cooperação com o Tribunal de Justiça e Ministério Público na reeducação dos homens autores de violência. “É importante porque contribui para diminuir a reincidência dos crimes de violência doméstica familiar contra as mulheres”, informou a subsecretária.

“Há violência, mas há um compromisso do poder público. Exemplo disso é a Casa da mulher brasileira, que representa a proteção e acolhimento das mulheres que necessitam. É aqui que ela tem todo apoio profissional para que ela saia do ciclo da violência”, concluiu. 

Resultado disso é também a diminuição nos crimes de feminicídios em Campo Grande, de 14 para 7 se comparado com o ano passado, e o aumento dos registros de violência doméstica, segundo a delegada titular da Deam (Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher), Elaine Benincasa. 

O anuário divulgado este ano com dados referente ao ano passado, Campo Grande tinha registrado 14 feminicídios consumados. Já em 2023, apesar de ainda restar um mês para o fim do ano, temos 7 feminicídios. “O número de registros de boletins de ocorrência de violência doméstica têm aumentado. Isso é bom, isso significa que o que nós estamos fazendo aqui, ali dentro tem surtido efeito e os feminicídios tem diminuído, também é bom, quer dizer que ao meu ver esse trabalho desenvolvido pela rede de acolhimento tem causado frutos e tem de ser comemorado, sem se esquecer das 7 vidas perdidas aqui em Campo Grande”, disse a delegada.

Benincasa explica que a rede de apoio, de proteção vai muito além dos órgãos públicos ou entidades privadas. “Cada um de nós precisa ter essa informação. O que estamos fazendo aqui é levar a informação a todos, a ponto que todos, seja vítima, seja parente, amigos, se fortaleçam para que denunciem essas ocorrências, se não essas situações de violências serão invisíveis. A partir do momento em que há denúncia, toda máquina estatal, municipal vai ser movimentada em prol dessa mulher. Importante primordial essa denúncia, além de outras frentes que indico, a educação infantil, reeducação do agressor, as políticas públicas”, detalhou.

O relatório do programa de reeducação de homens, autores desses crimes, mostra que 44 concluíram a participação nos 16 encontros. Até agosto desse ano, haviam 16 homens em atividade no programa. Treze desistira, outros 43 não foi conseguido contato com os autores, 79 não atenderam as ligações, 11 se comprometeram a comparecer e 22 foram dispensados ou tiveram a medida protetiva revogada.

A Prefeita Adriane Lopes também esteve presente no lançamento da campanha. “Nós estamos trabalhando preventivamente. Como mulher, como primeira prefeita a ocupar este cargo sendo mulher, nós estamos fazendo várias ações nos bairros preventivamente, conscientizando as mulheres e os homens da nossa cidade da importância das nossas mulheres do respeito para que a gente possa fazer uma campanha de 21 dias com a participação de todos na nossa capital”. 

Subsecretária Carla Stephanini, Delegada Elaine Benicasa e prefeita Adriane Lopes (Mirian Machado, Midiamax)

A campanha atinge 160 países e no Brasil começou em 2003. Confira as atividades:

Dia 21/11- abertura da Campanha, assinatura do Termo de parceria com o TRT e apresentação do relatório do programa ‘Recomeçar’.

Dia 22/11– Palestra Violência contra as mulheres ‘Prevenir é Melhor’ serão duas palestras na UEMS às 8h e às 13h.

Dia 23/11– Palestra Violência contra as mulheres ‘Prevenir é o Melhor’ ocorre às 19h na Escola Municipal Nerone Maiolino no Bairro Vida Nova.

Dia 24/11– Encontro BrasilSemMisoginia Misoginia: Conceito e relações entre machismo e sexismo, ocorrerá Às 8h na Casa da Mulher Brasileira.

Dia 28/11– Roda de conversa: Violência contra as mulher, serão duas palestras: às 15h na associação de moradores do Arnaldo Estevão de Figueiredo e às 19h na Escola Municipal Pe Tomaz Ghirardelli no Bairro Parque do Lageado.

Dia 6/12– Caminhada do Laço Branco Homens pelo Fim da Violência contra as Mulheres, às 8h com saída do Paço Municipal até a Praça do Rádio Clube.