A defesa do jogador de futebol do Corumbaense Luís Cláudio Oliveira, conhecido como ‘Chicago’, preso na noite de sábado (28), por policiais do Bope (Batalhão de Operações Especiais) e do Batalhão de Choque, na BR-262, com supermaconha em sua bagagem pediu pela liberdade do jogador.

De acordo com o advogado Alessandro Farias, Luis é réu primário e tem bons antecedentes. “Além disso, inexiste nos autos qualquer fato ou circunstância capaz de demonstrar, efetivamente, que a soltura do Autuado colocará em risco a ordem pública, o andamento da instrução criminal ou a aplicação da lei penal”.

A defesa ainda pede pela liberdade com medidas cautelares com monitoramento eletrônico, “De igual forma, nada nos autos dá conta de que o Autuado, caso solto, perturbe o regular desenvolvimento da instrução criminal. Não há sequer indícios de ameaças a testemunhas, de investida contra provas com o fito de desaparecer evidências, ou coação a membro do Ministério Público”, fala a defesa.

O jogador de disse que trabalha na prefeitura de e que recebe salário de R$ 2.500 e pelo transporte da supermaconha receberia o valor de R$ 3 mil. Ele não revelou para quem entregaria a , que foi avaliada em R$ 50 mil. 

A Polícia Civil pediu pela quebra do sigilo telefônico do jogador de futebol do Corumbaense, Luís Cláudio Oliveira, conhecido como ‘Chicago’. 

A prisão do jogador

O que fazia o transporte dos jogadores para onde jogariam contra o São Gabriel foi parado pelos policiais, que ao fazerem a vistoria nas bagagens, a mala com a supermaconha foi localizada. A supermaconha foi avaliada em R$ 50 mil.

Quando questionado, o jogador de futebol contou que receberia o valor de R$ 3 mil para trazer a droga até Campo Grande. Ele não disse para quem a supermaconha seria entregue, e por isso, a polícia pediu pela quebra do sigilo telefônico.

O jogador recebeu voz de prisão e foi encaminhado para a delegacia. Chicago estaria viajando com a equipe apenas para realizar exames cardíacos de rotina.

Nota do Corumbaense Futebol Clube

O Corumbaense Futebol Clube, emitiu uma nota de esclarecimento. De acordo com o pronunciamento, o time estava viajando para Campo Grande para jogar contra o São Gabriel. Durante a abordagem, cães farejadores encontraram o entorpecente.

O Corumbaense Futebol Clube também prestará auxílio jurídico inicialmente ao atleta e adianta que após o jogo deste domingo, durante a semana, vai prestar uma entrevista coletiva esclarecendo os fatos, ressaltando que o foco da equipe é a partida contra São Gabriel que será realizada no município de Camapuã.