Apreensão é 95% maior que ano passado 

Somente nos primeiros 40 dias de 2016, o DOF (Departamento de Operações de Fronteira), apreendeu 11 toneladas da droga. O balanço das apreensões foi divulgado na tarde desta quinta-feira (12) sua assessoria de comunicação do departamento. 

Segundo informações da assessoria, o número de apreensões é considerado record sendo 95% maior que no mesmo período de 2015 e mais de 750% se comparado ao mesmo período de 2014. Para o DOF isso representa o melhor começo de ano em  28 anos de história.

Ainda de acordo com a assessoria, a droga continua saindo de forma mais “pesada” da região sul do Estado, principalmente das cidades de Pedro Juan Cabalero/ Ponta Porã e Capitan Bado/ Coronel Sapucaia, sendo que as maiores apreensões foram registradas na região de Maracaju e Caarapó, totalizando mais de 6 toneladas da droga só nessas regiões.

Foram registradas também muitas ocorrências do “trafico formiguinha” em ônibus e em veículos de passeio, principalmente na BR-463 entre Ponta Porã e Dourados e na BR-262 na região de Corumbá.

As apreensões de cocaína e de pasta base de cocaína também tiveram um grande de aumento em 2016, com quase 80 quilos de cocaína apreendida nesse período, mais de 1000% de comparado ao mesmo período de 2015 e com mais de 19 quilos de pasta base de cocaína apreendidas nesse período, cerca de 250% maior que no mesmo período de 2015.

Foram presas 42 pessoas por e 6 pessoas com mandado de prisão em aberto. Além disso, foram apreendidos em contrabando 17mil pacotes de cigarro avaliados em 750mil reais, 286 pneus avaliados em mais de 50mil reais e ainda 8 armas de fogo, 269 munições e 23 veículos produto de roubo/ furto recuperados.

Todas as apreensões realizadas pelo DOF são resultado do estudo sazonal do tráfico e do crime na fronteira, bem como do planejamento operacional pré-carnaval e dos mais de 1400 bloqueios viários, da abordagem de mais de 14 mil veículos e de 20mil pessoas.

“O trabalho de planejamento operacional, com estudo especifico do setor de inteligência do DOF, analisando a oferta e a procura da droga, principalmente a , com a finalidade de atender os grandes centros do Brasil no período de carnaval, nos motivou a antecipar nossas operações na fronteira, onde visivelmente havia um volume de droga represado pelas más condições do terreno (estradas vicinais e pontes) devidos as chuvas do começo do ano. Houveram apreensões de todos os volumes, desde toneladas em carretas a quilos transportados no corpo das “mulas do tráfico”, o que gerou números expressivos no combate ao narcotráfico na fronteira.” – explica o Diretor do DOF Coronel Ary Carlos Barbosa.