Putin autoriza operação militar no leste da Ucrânia

A decisão vem a público algumas horas depois de a Rússia afirmar ter recebido um pedido de ajuda dos separatistas pró-Rússia
| 24/02/2022
- 03:58
Foto: ANSA / Ansa - Brasil
Foto: ANSA / Ansa - Brasil

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, autorizou uma operação militar nos enclaves separatistas da na madrugada desta quinta-feira (24), segundo a agência russa RIA. 

A decisão vem a público algumas horas depois de a Rússia afirmar ter recebido um pedido de ajuda dos separatistas pró-Rússia para, segundo eles, combater o Exército ucraniano e "repelir a agressão das forças armadas e formações da Ucrânia", embora autoridades em Kiev digam que não houve tal agressão, e nenhuma está planejada.

Desde janeiro o governo americano vem alertando que uma invasão russa é "iminente", mas nesta semana a situação ganhou uma nova escalada após Putin reconhecer as regiões separatistas de Donetsk e Luhansk como independentes.

Autoridades dos Estados Unidos, da Otan e da União Europeia disseram na terça-feira, 22, que as forças russas começaram a invadir essas regiões controladas por separatistas apoiados pelo Kremlin, que Putin disse reconhecer como independentes.

Nesta quarta-feira, mais cedo, o Parlamento ucraniano aprovou por ampla maioria o estado de emergência proposto por Zelenski, mobilizando seus reservistas de 18 a 60 anos, e Kiev anunciou que havia sido vítima de um novo ataque cibernético em massa.

Sanções

Na comunidade internacional, a União Europeia anunciou, por seu papel no reconhecimento das regiões separatistas da Ucrânia, sanções contra o ministro da Defesa e os chefes militares russos, o chefe de gabinete do Kremlin, o ministro do Desenvolvimento Econômico e a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores. As sanções publicadas no Diário Oficial da UE consistem no congelamento de bens e na proibição de vistos contra os afetados.

Por sua vez, o presidente dos EUA, Joe Biden, anunciou nesta quarta-feira sanções contra a empresa encarregada de operar o gasoduto Nord Stream 2, que liga a Rússia à Alemanha. A medida foi anunciada após Berlim suspender o controverso gasoduto, um dia antes.

No dia anterior, os EUA já haviam tornado públicas as medidas contra os bancos e oligarcas russos, denunciando o "início de uma invasão russa" na Ucrânia. A Rússia prometeu uma resposta "forte" e "dolorosa" às sanções americanas.

As medidas permanecem modestas em comparação com as anunciadas no caso de uma invasão, e Moscou tem quase US$ 640 bilhões em reservas cambiais e US$ 183 bilhões em um fundo soberano para lidar com elas.

Veja também

Últimas notícias