Ao invadir Ucrânia, Rússia faz exibição de seu novo poderio militar

Em Odessa e Mariupol, fuzileiros teriam desembarcado com a missão de assumir o controle, ou destruir, as instalações portuárias
| 25/02/2022
- 12:17
Ao invadir Ucrânia, Rússia faz exibição de seu novo poderio militar
Foto: Divulgação/Ministério da Defesa da Rússia

Fazia um frio de 2 graus em Kiev quando o primeiro fogo veio do céu, na madrugada de ontem - um míssil russo de precisão, provavelmente da classe Kalibr, com ogiva de meia tonelada de explosivos, caiu sobre o prédio do comando conjunto das Forças Armadas da Ucrânia, na periferia da capital. Era só o começo.

O show sinistro do clarão do bombardeio noturno estava acontecendo em muitos outros pontos do país sob ataque. Tropas apoiadas por blindados de infantaria rodavam pela região leste com a cobertura de helicópteros artilhados. Em Odessa e Mariupol, fuzileiros teriam desembarcado com a missão de assumir o controle — ou destruir — as instalações portuárias.

Doze horas depois, as notícias da invasão da Ucrânia eram as piores possíveis. No período, tudo deu certo para a força expedicionária da Rússia, o que queria dizer que a militar — o objetivo dos ataques — tinha sido atingida. Com ela, usinas de energia e sistemas viários, alguns perto de Kiev, que fazem ligação com o distrito industrial.

Nas primeiras horas da invasão à Ucrânia, a Rússia fez uma grande exibição de seu moderno e amplo poderio militar, no qual ela vem investindo pesadamente há alguns anos. Fotografado e registrado por satélites, o aparato mobilizado expôs também uma escancarada falha da inteligência da Otan, dos EUA e da Europa. Se sabiam de algo, não tomaram providência.

Para conseguir levar a cabo esta operação, a Rússia precisou de pelo menos dois anos para organizar tudo. Esse grande efetivo mobilizado foi dividido em linhas de atuação. Uma delas é a linha vermelha, de contato, que fica na fronteira da Rússia com a Ucrânia. Para essa linha vermelha, Moscou deslocou 120 mil combatentes que, sozinhos, já formam um exército gigantesco.

E eles estavam reforçados com tanques, canhões, lança-mísseis, veículos de transporte de tropa, os blindados de infantaria. Um destaque foram pesos-pesados tanques do tipo T-72C e T-90, com canhões enormes de 125 mm e sistemas avançados.

Há também uma linha amarela, com mais 52 mil combatentes, de retaguarda.

O objetivo é claro, mas também vago: a desmilitarização da Ucrânia. Como ele será alcançado é que ninguém sabe exatamente como.

Veja também

As chances de um "pouso suave" nos Estados Unidos, em meio à subida de juros...

Últimas notícias