“Ela era fantástica. Energia pura, ligada no 220, bonito demais de ver a entrega dela”. Vocalista do Bando do Velho Jack, Rodrigo Tozzette, de 48 anos, resume o sentimento da banda, ao falar sobre Tina Turner. A cantora americana, considerada a “rainha do rock”, nos deixou nessa quarta-feira (24), aos 83 anos, após enfrentar um câncer.

Dos 28 anos de banda, segundo Rodrigo, o encerramento dos shows ou “momento do bis”, sempre terminou com a Tina. “Nós costumamos tocar uma versão de Proud Mary, do Creedence Clearwater Revival, bem na onda da versão dela. É uma versão que a Tina fez no início do sucesso e estendeu durante toda a carreira. Ficou bem emblemática esta versão”, afirmoou.

Desde o início, quando a banda decidiu incluir a no show, já havia sido definido. “Tem que ser na pegada da Tina Turner, na versão dela. E, desde então, sempre tocamos. Agora, com a passagem dela, ficamos chateados e com a sensação de que ficaremos sem nossos ídolos por aqui, nos dando coisas novas, imagens e sons novos e ficaremos somente com o que já foi registrado, o que é uma infinidade de coisas, mas, a gente sempre quer ver o artista produzindo”, argumentou.

Veja a versão do Bando do Velho Jack:

Homenagem no 1° Festival de Hamburger de Campo Grande

Convidados para se apresentarem durante o 1° Festival de Hamburger de Campo Grande, nos Altos da Avenida Afonso, entre os dias 26 a 28 de maio, o Bando do Velho Jack fará homenagens as duas divas do rock: Rita Lee e Tina Turner. Ambas faleceram neste mês de maio.

“Rita Lee foi a mãezona do rock brazuca. Tocaremos três músicas da carreira dela: Ando Meio Desligado, da época ainda dos Mutantes, Agora Só Falta Você e Ovelha Negra, do disco Fruto Proibido, da Rita Lee e Tutti Frutti. E para a Tina também teremos homenagens. Estamos alinhando isso agora, inclusive”, argumentou o cantor.

Morte da Tina Turner

A cantora americana Tina Turner morreu nesta quarta-feira, 24, na Suíça, onde morava, segundo declarou seu agente à imprensa. Ainda de acordo com a declaração, a estrela da música mundial morreu “pacificamente após uma longa doença”. Nos últimos anos, Tina enfrentou um câncer.

Tina, nascida Anna Mae Bullock, nos Estados Unidos, se tornou um dos maiores nomes da música mundial ao entrar para o mundo do rock como uma das únicas mulheres, ainda nos anos 1960. Duas décadas depois, ao se tornar estrela do filme Mad Max – Além da Cúpula do Trovão, conseguiu ainda mais destaque, se tornando uma estrela pop ao juntar, música, e figurinos.

Uma em homenagem à cantora, Tina Turner: Uma Viagem para o Futuro, está em cartaz no MIS-SP.