As brincadeiras com a Barbie já revelavam a profissional que Anne Katiuscia Serafim de Souza, de 36 anos, se tornou. Para ela, o único interesse era pintar, cortar e depois tentar remendar os cabelos, deixando “tudo picotado”. Anos depois, se tornou cabeleireira especialista em mega hair. E a mesma boneca que a inspirou, também inspirou milhares mundo afora, fazendo-a convidar algumas para uma tarde especial e falar sobre inclusão. Veja o vídeo no final da matéria.

“Eu trabalho em Campo Grande, mais focada em mega hair, há 12 anos. E pensei em fazer um vídeo de inclusão, com a intenção de quebrar padrões e valorizar a mulher que existe em cada uma, independente de cor, raça ou credo. E aí convidei clientes, como as cantoras Patrícia e Adriana e também fiz uma enquete, escolhendo uma pessoa para fazer uma transformação aqui no salão e ter o seu momento Barbie”, afirmou Anne ao Jornal Midiamax.

Mulher respondeu story de salão e ganhou o “dia da Barbie”. (Anne Souza/Arquivo Pessoal)

Além de montar o cenário no próprio salão, Anne selecionou mulheres de diferentes idades e histórias.

“O intuito é a quebra de padrões, porque a gente tem aquela visão da Barbie, aquela mulher perfeita que as mulheres ficam, incansavelmente, tentando buscar. Elas querem a aparência e corpo perfeito, buscando esta estética e tudo mais, então, eu quis justamente quebrar esse paradigma e mostrar que, toda mulher, pode despertar em si o sentido figurado da Barbie”, comentou.

Desta forma, a mulher negra, a mulher idosa, a mulher mãe e tantas outras foram representadas. “Inclusive, uma delas, conheci através de uma enquete que fiz no Instagram. Lá eu contei e a minha história com a Barbie e perguntei a de outras mulheres, quando uma delas me respondeu que o sonho era ter tido esta boneca. Na infância, nunca teve porque a mãe dela trabalhava para sustentar seis filhos e era muito pobre. Eu a chamei para uma transformação e foi bem especial esta tarde. A intenção é falar, quebrar padrões e valorizar a mulher que existe em casa uma independente de cor, raça ou credo”, finalizou.

A sócia de Anne, Keila Costa, de 53 anos, também falou sobre a experiência com a Barbie. “Meus pais eram humildes e eu, como toda criança, queria ter uma Barbie. Fui ganhar a minha com 11 anos e o cabelo loiro me chamava a atenção. Eu era morena e, após um tempo, consegui fazer cores por isso e aí fiquei loira e parecida com a Barbie. Hoje, proporciono isso para as meninas, mas, atualmente, muitas barreiras foram quebradas e as mulheres se enxergaram ali no que fizemos”, argumentou.

Trecho do vídeo. (Rede Social/Reprodução)

A cantora Adriana também participou das gravações. “Recebemos o convite da nossa cabeleireira, que faz o nosso mega. Temos essa parceria há um ano e nós a admiramos muito. E foi muito incrível essa iniciativa, de fazer algo bem inclusivo no salão e entrar nessa onda, pegar essa hype da Barbie. Eu, particularmente, achei legal e positivo. Vi muita gente criticando, falando que já estava chato e tudo mais, só que eu, com quem eu tenho intimidade, comentei que achei o surto coletivo mais legal dos últimos tempos”, opinou.

Segundo a cantora, há cerca de dois anos, “estávamos ‘presos’ em casa, usando máscara, sem poder sair, tendo que lavar compras e hoje podemos ir para as ruas e ver a ‘vibe massa’ que está rolando”. Adriana também comentou que ainda não assistiu o filme, mas, pretende ir em breve.

“Minha filha só que foi e amou. Está apaixonada, então, estou adorando essa onda Barbie e cor de rosa. E que todos os surtos coletivos sejam assim. E, sobre o vídeo, eu adorei porque ela colocou que a Barbie não é só aquele estereótipo da boneca magrinha, que, inclusive, é totalmente fora do padrão. A Anne resgatou o sonho da menina se sentir uma Barbie, se sentir linda acima de qualquer coisa…me senti uma Barbie bem gatinha”, finalizou.

Veja o vídeo:

Leia também:

MidiaMAIS viu: Barbie diz na lata que não ama o Ken e mostra protagonismo nos ‘dois mundos’