Famílias desbravaram Vila Palmira quando não tinha ‘nada’ e vivem conquistas 54 anos depois

Hamilton se mudou para a Vila Palmira na década de 60 com a família e mora até hoje. Ele compartilhou os melhores momentos vividos no bairro
| 30/06/2022
- 15:26
Registro raro mostra como era a vida dos primeiros moradores da Vila Palmira
Registro raro mostra como era a vida dos primeiros moradores da Vila Palmira (Foto: Arquivo Pessoal)

Localizado na região do Imbirussu de Campo Grande, o bairro Vila Palmira guarda várias histórias desde sua criação. Orgulho pela região é tão grande que a ‘Associação de da Vila Palmira’ vai entregar certificados às famílias pioneiras que desenvolveram a região até se transformar no bairro da Capital. Uma dessas famílias é a de Hamilton Marques Batista, 54 anos. Morador desde 1968, viveu eternos momentos com os pais e os 10 irmãos em casinha de madeira.

Aposentado contou ao MidiaMAIS que os primeiros habitantes acreditaram no futuro da região.

“Eles que adentraram a este espaço, que colonizaram esta região e foram verdadeiros desbravadores. Quando aqui chegaram tudo estava por ser feito, ser realizado. Foram bravos e iniciaram pujantemente a construção de suas casas, de poços para coleta de água, pois não haviam calçadas, ruas asfaltadas, luz elétrica e muito menos o saneamento básico”, recorda Hamilton, presidente da Associação de Moradores, ao MidiaMAIS.

A vinda para a Vila Palmira

De Ponta Porã, a família de Hamilton se instalou na Vila Palmira quando ele ainda era uma criança, numa época em que terreno era distante do centro urbano da Capital. “Era só pedra, não tinha asfalto, não tinha nada. Nem de carro passava direito, era mais cavalo [...] era uma ou outra casa”.

Homem viveu por muitos anos na Rua Tapuia com Júlio de Castilho, em uma casa de madeira com família. Ao todo, moravam ele, os pais — Hamilton Serejo Batista e Corina Marques Batista — e os 10 irmãos. Apesar de o ter levado embora essas vivências, todas ficam guardadas no coração e eternizadas por fotografias. Imagens que Hamilton, por sinal, guarda com muito carinho dos seus parentes e antigos vizinhos.

Família de Hamilton viveu momentos inesquecíveis em casa de madeira
Família de Hamilton viveu momentos inesquecíveis em casa de madeira (Foto: Arquivo Pessoal)

Nos registros tirados no perímetro da Vila Palmira, é possível ver famílias compartilhando momentos na casa, de crianças no campinho de futebol, reuniões familiares e confraternizações entre amigos em bares. Alegria estampada pelas lentes fotográficas de uma vizinhança contente por pertencer a um lar.

Uma das fotos, inclusive, mostra terreno onde atualmente abriga a Praça Nazaré. Hamilton desconhece as pessoas, mas afirma serem os primeiros moradores.

Moradores brincavam em terreno que hoje é uma praça
Moradores brincavam em terreno que hoje é uma praça (Foto: Arquivo Pessoal)

“Assim, aos que nos antecederam e colocaram os pés no barro, tiraram água de poço, iluminaram a casa com lamparina, candeeiro, vela ou lampião, que sofreram com a falta de transporte, merecem ser homenageados, seja às suas pessoas ou por aqueles que se encontram entre nós, pois devemos muito aos que aqui se encontram e aos familiares que já partiram”, reflete o aposentado.

E o transporte?

Na década de 60, o transporte era precário devido a vias intransitáveis, conforme recorda o entrevistado. A rua que ‘salvava’ os moradores da Vila Palmira era a Av. Duque de Caxias. Frente a essas dificuldades, a vizinhança se ajudava.

“Quanto ao transporte, no começo era o Nelson Trovão [morador] que tinha um açougue e uma Kombi. Aí depois ele comprou uma jardineira [automóvel] chamada de ‘Jabureca’ e quem dirigia era o ‘Jabuti’, uma pessoa muito legal, todo mundo gostava dele”.

Casado, pai de um casal e com três netos, Hamilton saiu da Júlio de Castilho para a Rua Arisoli Ribeiro. Após 20 anos, foi para a Rua Jerusalém onde reside até hoje. Apesar das variadas mudanças, o bairro, no entanto, sempre permaneceu o mesmo. Os filhos também mantiveram o legado e residem a 70 metros de distância do pai.

Confira mais imagens dos primeiros moradores da Vila Palmira, em Campo Grande:

Vila Palmira em 2022

Muita coisa mudou desde 1968, é claro. Além do crescimento populacional, o acesso aos serviços básicos evoluiu muito também. Para Hamilton, é motivo de celebrar e agradecer aos desbravadores que chegaram à região.

“A Vila Palmira está bonita, bem cuidada, localizada na Região do Imbirussu, com ruas asfaltadas, água encanada, eletricidade e com excelente comércio, servida por bancos e escolas”.

Homenagem aos Pioneiros

A Associação dos Moradores da Vila Palmira homenageará os pioneiros e as famílias dos pioneiros que da Vila Palmira.

"Entendemos que não podemos deixar cair no esquecimento os heróis, os que iniciaram o povoamento da Vila Palmira e, nada mais justo que outorguemos a eles ou aos seus familiares, o CERTIFICADO DE MÉRITO AOS PIONEIROS DA VILA PALMIRA para que seus nomes e sobrenomes sejam imortalizados", conclui Hamilton.


Fale com o MidiaMAIS!

Quer conversar com a gente sobre o universo do entretenimento e cultura? Participe do nosso grupo no Facebook! Um lugar aberto ao bate-papo, troca de informação, sugestões, enquetes e muito mais. Você também pode acompanhar nossas atualizações no Instagram e Tiktok. Tem uma história legal para compartilhar com a gente? Fale direto com nossos jornalistas do Midiamais.

Veja também

Atriz usou o termo "ovelha negra" e acabou recebendo uma patada do apresentador

Últimas notícias