Depois que o corpo estiver congelado, ele será transportado até Clinton Township, em Michigan, nos EUA, para um laboratório de criopreservação, nome dado a essa técnica de congelamento – Sames já até pagou pelo serviço: 21 mil euros.

Uma vez que o corpo do professor chegue ao Cryonic Institute, cientistas substituirão o sangue de Sames por uma solução salina, garantindo que todas as suas células se congelem. Se tudo der certo, daqui a 150 anos um grupo de cientistas que ainda nem nasceram irão reviver as células de Sames. E aí, o que você acha dessa experiência?