Após quatro dias, o Corpo de Bombeiros de Mato Grosso do Sul combateu o incêndio que atingiu a região conhecida como “Banhado do Rio Formoso”, em Bonito, a 295 quilômetros de Campo Grande. Os militares monitoram possíveis focos de calor na região nesta sexta-feira (22). A estimativa é que 500 hectares da área preservada tenham sido atingidas pelas chamas.

Segundo o tenente do CBMMS Ronaldo Machado, as equipes realizam o monitoramento para extinguir algum possível foco de calor de reignição das chamas. De forma geral, as chamas foram controladas com o efetivo de 48 militares de Bonito, Aquidauana, Corumbá e Campo Grande, além do staff de comando da operação do CPA, auxiliam no combate aos incêndios de grandes proporções.

A tenente-coronel Tatiane Inoue, chefe do CPA (Centro de Proteção Ambiental) explica que as técnicas utilizadas evitaram a maior propagação pelas laterias, evitando que o fogo chegasse às margens do rio. “O incêndio ficou confinado na região do Banhado. Observamos uma cicatriz de queima naquela região, de aproximadamente 500 hectares”, disse.

A nota do Governo do Estado reforça que foram empenhadas equipes especializadas para o tipo de combate na Operação Pantanal 2023, desde julho, em incêndios na região pantaneira de Nabileque, Forte Coimbra, Salobra e Paiaguás.

Força-tarefa

Ao todo, seis caminhonetes com equipamentos específicos que auxiliam o combate, uma viatura tipo tanque com capacidade de 7 mil litros d’água e duas aeronaves, foram empregadas na região, além do trabalho com militares no chão, por aeronaves e em barcos, com apoio da Polícia Militar.

Desde a tarde de segunda-feira (18), o trabalho se estendeu até a noite de quinta-feira (21), com combate durante a madrugada.

“Conseguimos controlar o incêndio, mas estamos em monitoramento. Pois na região, tem previsão de altas temperaturas, e com a velocidade do vento alta e a baixa umidade relativa do ar, pode dar reignição”, explicou a tenente-coronel Tatiane.

Alerta de baixa umidade

Mato Grosso do Sul enfrenta uma intensa onda de calor, com temperaturas altas aliadas a baixa umidade relativa do ar. A área onde o incêndio atingiu tem caraterísticas de um pântano e a mata facilitou a propagação das chamas.

Apesar do difícil trabalho, a ação de combate impediu o incêndio às margens do rio e em propriedades da região, segundo a prefeitura.

Até o fim do ano, a prática da “queimada controlada” está proibida em todo o Estado.