O Balneário Municipal Miguel Jorge Tabox, em Três Lagoas, a 330 km de Campo Grande, será reaberto no próximo sábado (14). O local foi fechado há uma semana, no dia 5 de janeiro, devido a ataques de piranhas a banhistas em dezembro. 

A volta do funcionamento do balneário municipal foi divulgada nesta quinta-feira (12) nas redes sociais pelo Prefeito de Três Lagoas, Angelo Guerreiro, acompanhado do secretário de desenvolvimento econômico, ciência e tecnologia, Coronel Moraes, pasta responsável pelo espaço. 

Foi feita uma força-tarefa no trabalho dos arrastões para a captura dos peixes com outras instituições como Polícia Militar Ambiental, secretaria de meio-ambiente e pescadores profissionais. 

Segundo Guerreiro, as redes voltaram vazias nos últimos dias e não foram capturadas mais piranhas, o que motivou a reabertura do balneário. Mesmo com o cenário positivo, a volta do funcionamento definitivo está condicionada a não registrar ocorrências de ataques nos dias 14 e 15. 

“Se não ocorrer nenhum incidente nesse final de semana estará aberto normalmente”, afirmou o Prefeito. 

Relembre o caso

De acordo com a coordenadora do Balneário Municipal Miguel Jorge Tabox, Natália Leite, desde a implantação da rede para fazer a “limpeza” do local, que fica às margens do Rio Sucuriú, foram recolhidas 23 piranhas até o último domingo (8).

“Nós colocamos uma rede dentro do rio e deixamos pernoitar. No dia seguinte fazer a abertura total e vemos quantos peixes foram capturados. Desde segunda não pegamos mais nada”, ela descreve.

Segundo a coordenadora do balneário, em dezembro pouco mais de 20 pessoas foram atacadas por piranhas. 

O local foi fechado no dia 26 do mesmo mês para limpeza regular e não foi reaberto desde então, já que em 5 de janeiro foi anunciado que ficaria interditado devido aos ataques na área dos banhistas. Na semana passada o prefeito afirmou que a equipe de manutenção iria verificar se havia buracos na rede de contenção que fica em volta de toda área de banho.

“A procura para visitar é grande porque estamos em janeiro que é mês de férias. Nós temos um parquinho aqui, por exemplo. Vai ficar a critério da população entrar na água, mas quem quiser pode entrar. Temos salva-vidas e acreditamos que não acontecerão mais ataques”, afirma Natália Leite.

A coordenadora relembra que as pessoas estão no habitat dos animais e é impossível ficar sem peixes e alerta a população para não jogar alimentos e nem fazer necessidades fisiológicas para não atrair as piranhas. “Nós limpamos tudo e pretendemos fazer a reposição de toda área da praia”, explica.

A entrada no balneário municipal é gratuita e é cobrada uma taxa de R$ 40 somente para os que optarem por utilizar um dos quiosques.