Agentes de saúde se reúnem em protesto na frente da Prefeitura

Grupo reivindica plataforma para cursos de qualificação
| 20/08/2015
- 15:49
Agentes de saúde se reúnem em protesto na frente da Prefeitura

Grupo reivindica plataforma para cursos de qualificação

Aproximadamente 200 agentes comunitários de saúde, agentes de combate a endemias e agentes de saúde pública se reúnem na manhã desta quinta-feira (20), na frente da Prefeitura. A manifestação, que teve início por volta das 7h30, ocorre por conta da carga horária aplicada à categoria e melhores condições de trabalho.

Segundo o presidente do (Sindicato dos Servidores Municipais de Campo Grande), , atualmente a Sesau conta com 1.500 agentes comunitários de saúde, 210 agentes de combates a endemias e 420 agentes de saúde pública.

“Queremos o cumprimento das seis horas diárias e as outras duas de cursos on-line, desta forma eles trabalham das 7 às 13 horas e acabam cobrindo mais casas porque é neste período que os moradores estão nas residências. Além disso, evita que os agentes trabalhem à tarde, em condições insalubres no calor e diminui o número de atestado”, defende.

Atualmente a plataforma que disponibiliza os cursos on-line não estão funcionando e com isso, os agentes temem que sejam obrigados a cumprir 8 horas de trabalho nas ruas. A agente comunitária de saúde Edma Montado Bandeira da Silva, também destaca a importância dos cursos on-line.

“A plataforma foi prometida e essa qualificação é muito importante para que os agentes possam atender melhor a população”, ressalta. As categorias também pontuam a necessidade de concurso público para cobrir as áreas extras da cidade.

A manifestação que começou na frente da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), seguiu para a frente da Prefeitura. Os agentes contam com carro de som e fogos de artifício, a fim de chamar a atenção para o protesto.

Pedido de afastamento –

O MPE (Ministério Público Estadual) pediu na Justiça o afastamento do secretário municipal de Saúde Pública, Jamal Salem, e do presidente do Sisem por suspeita de improbidade administrativa. Ambos teriam coagido gerentes de unidades a assinarem folha de frequência de agentes de saúde em horário superior ao efetivamente trabalhado. A denúncia chegou na última segunda-feira (17) à 1ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande.

Questionado a respeito do pedido de afastamento, Tabosa garante que vai “respeitar as decisões judiciais”. “Se o juiz entender pelo afastamento, vou recorrer. Meu papel como presidente do Sindicato, é defender os servidores. A denúncia é mentirosa. O sindicato ainda não foi ouvido e por enquanto ainda não tem nada. Isso é culpa dos gerente dos postos”, justifica.

Tabosa afirma ainda que “os agentes  comunitários de saúde estão sendo ameaçados”, pelos gerentes, para que não fossem ao protesto.

Veja também

São 54 vagas para a carreira de fiscalização e defesa sanitária

Últimas notícias