O desbarrancamento de longos paredões às margens dos rios amazônicos, também conhecido como fenômeno “terras caídas”, chama atenção pela força da natureza e, por outro, evidencia o risco a que moradores dessas áreas estão suscetíveis.

No último sábado (30), um desabamento às margens do rio Purus, afluente do rio Solimões, deixou dois mortos e mais de 200 desabrigados na comunidade Arumã, no município amazonense de Beruri (a 263 quilômetros de Manaus). De acordo com a prefeitura, ainda há três pessoas desaparecidas.

Doutor em Ordenamento Territorial e Ambiental, o geógrafo José Alberto Lima de Carvalho é especialista no fenômeno das terras caídas. Ele explica que os desabamentos são multifatoriais e podem chegar a atingir paredões com quilômetros de extensão.

“É um fenômeno natural responsável pela constante modificação da paisagem ribeirinha do rio . Resulta de processos mais simples a altamente complexos e engloba escorregamento, deslizamento, desmoronamento e desabamento que acontece às vezes em escala quase que imperceptível, indo de pontual, recorrente e não raro, até catastrófico, afetando em muitos casos distâncias quilométricas”, afirma.

Para o geógrafo, o desabamento na comunidade Arumã pode ter sido causado por pelo menos dois fatores. “Pela posição da Vila de Arumã em relação ao rio Purus, a interpretação que faço é de que o deslizamento foi causado principalmente pela saturação do material das margens do afluente e do vale do Igarapé do Arumã”, explica.

Seca

Atualmente a região amazônica vive um dos períodos de seca mais severos já registrados pelas réguas oficiais. O rio Negro, que banha Manaus, media 15,29 metros nesta segunda-feira, 2. Faltam apenas 1,66 metros para alcançar a cota histórica (13,63 metros) registrada em 2010.

Já o rio Solimões atingiu a cota de -43 centímetros no último dia 22 de setembro, segundo boletim semanal do CPRM (Serviço Geológico do Brasil). Essa também é a segunda maior seca registrada para o afluente, com as medições “abaixo do normal para o período”, segundo o CPRM.

Conforme o geógrafo José Alberto Lima, é comum que o fenômeno das terras caídas se torne mais frequente durante o período de seca dos rios. “A vazante tem papel importante nas terras caídas, pois, quanto maior for a vazante, mais alto se torna o barranco. Com isso, aumenta a chamada ‘força de cisalhamento’, associada à força da gravidade”, pontua.

Outras ocorrências

O caso da comunidade Arumã repercutiu nacionalmente em razão do número de desabrigados e pelo tamanho do desabamento, mas outros casos foram registrados em diferentes municípios do Amazonas ao longo do mês de setembro.

Na última sexta-feira, 29, um desabamento também às margens do rio Solimões deixou pelo menos oito casas destruídas em Coari (a 363 quilômetros de Manaus). De acordo com a do Amazonas e o Corpo de Bombeiros, a ocorrência não deixou feridos.

Já no último dia 16 de setembro, um desbarrancamento às margens do rio Madeira, em Manicoré (a 457 quilômetros de Manaus), engoliu parte de uma rua e casas. A ocorrência deixou uma pessoa ferida. Semanas antes a prefeitura do município havia feito a desocupação do local, já por causa do risco de desabamento.

Medidas

De acordo com o governador do Amazonas, Wilson Lima (União Brasil), equipes da Polícia Militar e da Defesa Civil foram enviadas à comunidade Arumã, em Beruri, para fazer o atendimento às vítimas do desabamento. Cestas básicas foram distribuídas para as famílias afetadas pela tragédia. “Nossas equipes estão em campo para fazer o que for preciso. Minha solidariedade e orações às famílias atingidas”, publicou nas redes sociais.

Já a Sema (Secretaria de do Amazonas) informou que vai entregar 150 cestas básicas, 150 kits de higiene pessoal, 100 garrafões de água de 20 litros e 180 frangos aos moradores. Os itens foram adquiridos com apoio do Programa Áreas Protegidas da Amazônia (Arpa), do Ministério do Meio Ambiente e Mudança Climática.