Presidente do Senado diz que morte de jornalista britânico e indigenista seria ‘coisa das mais graves’

Declaração foi dada no plenário da Casa nesta segunda-feira (13)
| 13/06/2022
- 15:27
Presidente do Senado diz que morte de jornalista britânico e indigenista seria ‘coisa das mais graves’
O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco. Ilustrativa (Foto: Wilson Dias / Agência Brasil)

O presidente do , Rodrigo Pacheco (PSD-MG), disse nesta segunda-feira (13) que a eventual confirmação da morte do jornalista britânico Dom Phillips e do indigenista Bruno Pereira, desaparecidos na Amazônia, seria “coisa das mais graves". A foi dada no plenário da Casa, durante a abertura da sessão extraordinária convocada para hoje.

"Nós não queremos precipitar o que de fato aconteceu com o Bruno Pereira e com o Dom Phillips, mas, caso se confirme o fato de terem sido, eventualmente, assassinados, é uma situação das mais graves do Brasil", disse Pacheco. O presidente do Senado afirmou que a Casa precisa avaliar quais mudanças legislativas podem ser feitas para aumentar a segurança na região.

"O Bruno Araújo Pereira, servidor da Funai, vinha denunciando uma série de irregularidades, crimes praticados naquela região, de atentados a povos indígenas, de descumprimento da lei, de um Estado paralelo ali implantado", afirmou Pacheco. "É motivo de alerta e de reação do Senado Federal", emendou.

Mais cedo, o presidente Jair Bolsonaro também comentou o caso. "Agora, os indícios levam a crer que fizeram alguma maldade com eles porque já foi encontrado boiando no rio vísceras humanas que já estão aqui em Brasília para fazer o DNA e pelo tempo, já temos 8 dias, indo para o nono dia, de que isso tudo aconteceu, vai ser muito difícil encontrá-los com vida", disse o presidente, em entrevista à Rádio CBN.

Comissão externa

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), por sua vez, solicitou a Pacheco a criação de uma Comissão Externa para investigar o caso Para se criar uma comissão, é preciso maioria simples no Plenário. O colegiado, segundo o parlamentar, será composto por 9 membros titulares e deve funcionar durante 60 dias.

"Os responsáveis diretos e indiretos não podem ficar impunes. Estamos vivendo uma realidade de violência que choca o Brasil. É necessário apurar para que situações assim jamais se repitam", afirmou Randolfe. (Com informações do Estadão Conteúdo).

Veja também

Últimas notícias