Maria Vitória Carmello, de 18 anos, morreu, na última quinta-feira (16), em Botucatu, São Paulo, ao ser baleada no pescoço por um tiro acidental de arma de fogo, pelo irmão Leonardo Matheus Carmello, um policial civil, de 28 anos, preso em flagrante por homicídio. As informações são do portal G1.

Conforme o boletim de ocorrência, o policial estaria limpando a arma, que segundo ele havia sido comprada recentemente, uma pistola Glock 9mm. Ele começou a manuseá-la durante um churrasco na casa da família, em seguida, teria pedido a irmã para gravar o processo de destravamento.

Em depoimento na delegacia, ele disse que pretendia enviar o vídeo ao professor da Academia de Polícia Civil. A arma acabou disparando acidentalmente e atingido o pescoço da jovem. Ele acionou o socorro e acompanhou até o pronto-socorro do Hospital das Clínicas, entretanto, a irmã não resistiu aos ferimentos.

A Polícia Militar foi acionada pela equipe médica, onde Leonardo explicou que é agente de papiloscopia e que tinha acabado de frequentar o curso da academia, ainda aguardava a designação para lotar uma unidade policial. O IML (Instituto Médico Legal) apontou que ele havia ingerido bebida alcoólica na ocasião.

Ainda segundo o portal, o rapaz foi preso em flagrante, mas solto na sexta-feira (17), após passar por audiência de custódia, respondendo ao processo em liberdade. Na sentença, a Justiça determinou a suspensão do porte de arma e a comunicação do fato à Corregedoria de Polícia Civil.

Luto

Nas redes sociais, amigos e conhecidos prestaram condolências a jovem, assim como a escola em que estudou. “Nós, do Colégio La Salle Botucatu, manifestamos nosso profundo pesar pelo falecimento da nossa ex-aluna. Nos solidarizamos com os familiares e amigos neste momento de dor e despedida. Que Deus possa confortar a todos”, escreveu.