Justiça nega pedido sobre bloqueio de bens de R$ 9,8 milhões

Investigação faz parte da Operação Lama Asfática
| 26/04/2017
- 16:57
Justiça nega pedido sobre bloqueio de bens de R$ 9,8 milhões

Investigação faz parte da Operação Lama Asfática

O TJ-MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) negou pedido de liminar feito pelo ex-secretário de Obras Edson Giroto, ex-diretora-presidente da Agesul (Agência Estadual de Gestão e Empreendimentos) Maria Casanova e o engenheiro João Afif, para rejeição da ação de improbidade administrativa e anulação da decisão que bloqueou R$ 9,8 milhões deles e de outros cinco nomes.

Conforme o desembargador Amaury Kuklinski, relator do agravo, pelo menos no momento, não é possível vislumbrar as nulidades alegadas. “Isso porque o julgador pontua ser necessário analisar os atos e também as defesas apresentadas de forma conjunta, e não apenas isoladamente”.

Observa que os argumentos apresentados pelo trio serão analisados de forma cautelosa para julgamento do mérito, “sendo as considerações aqui tecidas referentes apenas à concessão do efeito suspensivo, sem análise aprofundada das teses defensivas, até mesmo para evitara antecipação do julgado”.

O relator diz ainda que, em relação ao bloqueio de bens, há caráter preventivo para resguardar o interesse público. “Nesse contexto, denoto que não se encontram presentes os requisitos necessários para a concessão de efeito suspensivo”.

Ação

O processo que acarretou a indisponibilidade de bens corre em 1ª instância e tem como base investigação da Polícia Federal, bem como da força-tarefa da . De acordo com o MPE-MS (Ministério Público Estadual) apuração aponta o uso de dinheiro estadual e federal para custear obras de recuperação da estrutura da faixa de rolamento das rodovias estaduais 270, 444, 473, 164, 166, 112, 141 e também a BR 158.

A empresa que venceu para efetuar todas as obras foi a Proteco que, para o MPE, foi favorecida com a licitação pelo que chamou de “direcionada”.

Isso porque, segundo os investigadores do caso, a Agesul, órgão estadual responsável pela licitação, deveria abrir mais concorrências, não só uma. As estradas recuperadas ficam em pontos distintos, como Selvíria, divisa com São Paulo, e Ponta Porã, na fronteira, distância de 600 quilômetros.

De acordo com a inicial, pelas obras, a agência pagou R$ 11.787.649,20, mais um aditivo de R$ 1.808.746,97. Ainda segundo a ação, “a diferença entre o serviço realizado e o valor pago” acumulou prejuízo de R$ 9.840.945,91. Servidores da Agesul, empregados da referida empreiteira, além de “fraudarem a concorrência pública”, aumentaram a medição das obras, ou seja, mediram como trabalho feito trechos não reparados pela companhia.

Agravo

Giroto, Casanova e Afif ingressaram com agravo para tentar derrubar o processo ou pelo menos anular decisão que bloqueou os bens. Conforme a defesa “não há como imputar qualquer conduta ímproba no caso em apreço, de forma que do fato constitutivo trazido na inicial, não participaram os Agravantes (Edson, Maria Wilma e João Afif)”.

Alega ainda que os fundamentos da ação se baseiam em supostas irregularidades no procedimento de licitação e de fiscalização para pagamento de obra contratada pelo Estado junto à empresa Proteco, “no qual os agravantes não concorreram, já que estranhas as suas respectivas funções, quando ocupantes de cargos perante a Secretaria de Estado de Obras Públicas de Mato Grosso do Sul, não tendo qualquer participação direta ou indireta”.

Veja também

Ataíde Feliciano da Silva perdeu mandato por acusação de compra de votos, ao fazer 2 doações de combustíveis a eleitores

Últimas notícias