O presidente Luiz Inácio Lula da Silva reforçou que irá revogar o teto de gastos. Ao citar a atuação do governo do ex-presidente Jair Bolsonaro durante a pandemia da covid-19, Lula disse que, “certamente”, o Sistema Único de Saúde (SUS) foi a instituição “mais perseguida e prejudicada por uma estupidez chamada teto de gastos”.

“Vamos recompor os orçamentos da Saúde para garantir a assistência básica, a Farmácia Popular, promover o acesso à medicina especializada”, garantiu Lula no discurso após tomar posse como 39º presidente da República.

“Vamos recompor os orçamentos da Educação, investir em mais universidades, no ensino técnico, na universalização do acesso à internet, na ampliação das creches e no ensino público em tempo integral.”

“O modelo que propomos, aprovado nas urnas, exige, sim, compromisso com a responsabilidade, a credibilidade e a previsibilidade; e disso não vamos abrir mão. Foi com realismo orçamentário, fiscal e monetário, buscando a estabilidade, controlando a inflação e respeitando contratos que governamos este país”, declarou.

O presidente reforçou o compromisso de apurar a responsabilidade do governo Bolsonaro durante a pandemia da covid-19.

“Em nenhum outro país a quantidade de vítimas fatais foi tão alta proporcionalmente à população quanto no Brasil, um dos países mais preparados para enfrentar emergências sanitárias, graças à competência do nosso Sistema Único de Saúde”, destacou. Lula classificou que o governo anterior foi “negacionista” e “obscurantista” com “atitude criminosa” durante a crise sanitária.