No último dia 2, o ex-prefeito de Novo Mundo, Humberto Amaducci (PT), comunicou o falecimento da própria mãe, Zilá Ramos Amaducci. Nesta quarta-feira (12), o diretório nacional do PT publicou nota sobre a violação do túmulo da Dona Zilá. “Crime bárbaro”, definiu o partido.

“A violação do túmulo de Dona Zilá, mãe do ex-prefeito de Mundo Novo (MS) Humberto Amaducci (PT), é um crime bárbaro, repugnante, numa região em que a extrema direita sempre usou de violência”, diz a nota. Além disso, o diretório nacional lembrou que “foi em Mundo Novo que a companheira Dorcelina Folador, do MST e do PT, foi assassinada a tiros em 1999”.

Por fim, o diretório nacional do PT pede apuração do crime. “Somos solidários ao companheiro Amaducci e a sua família. E exigimos a apuração e responsabilização dos criminosos. Chega de violência, chega de barbárie”.

A presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, assina a nota junto com o secretário-geral do partido, Henrique Fontana.

Apurações

Ao Jornal Midiamax, o presidente estadual do PT, Vladimir Ferreira, disse que “ali naquela fronteira o processo político ainda está muito tensionado”. Contudo, prefere aguardar as investigações do caso para afirmar, ou não, se há relação com crime político.

Por fim, disse que o diretório “tem toda uma preocupação com o Humberto e a família dele”. A última publicação nas redes sociais de Amaducci é o comunicado de falecimento da mãe. “É com muita tristeza que comunico a todas e todos o falecimento de nossa Mãe Zilá Ramos Amaducci”, disse.

À reportagem, Amaducci disse que não acredita em motivação política. “Eu não acredito que tenha motivação política. Porém estamos aguardando o resultado do trabalho da equipe que sob a coordenação do delegado de polícia de nossa cidade vem trabalhando muito pra solucionar essa barbárie”, afirmou.