Após a reunião convocada pelo presidente do Partido Liberal em Brasília nesta quinta-feira (6), onde reuniu o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e o governador de SP, Tarcísio Freitas (Republicanos), os deputados federais de direita votaram contra a reforma tributária. A PEC (Proposta de Emenda Constitucional) foi aprovada por 385 votos favoráveis.

Durante a reunião que levou à cúpula do partido os parlamentares da direita, Bolsonaro orientou que todos votassem contra a reforma. O ex-presidente chegou a dizer que “se o PL estiver unido, não aprova nada”. Apesar do pedido, 20 parlamentares da sigla votaram a favor. Os deputados federais pelo PL de MS, Rodolfo Nogueira e Marcos Pollon, votaram contra. Luiz Ovando (PP), também foi contrário.

Confira os deputados do Partido Liberal que votaram favoráveis:

Antonio Carlos Rodrigues (SP), Detinha (MA), Giacobo (PR), Icaro de Valmir (SE), João Carlos Bacelar (BA), João Maia (RN), Josimar Maranhãozinho (MA), Junior Lourenço (MA), Júnior Mano (CE), Luciano Vieira (RJ), Luiz Carlos Motta (SP), Matheus Noronha (CE), Robinson Faria (RN), Rosângela Reis (MG), Samuel Viana (MG), Tiririca (SP), Vermelho (PR), Vinicius Gurgel (AP), Wellington Roberto (PB) e Zé Vitor (MG).

Como votou a bancada federal de Mato Grosso do Sul:

·  Vander Loubet (PT) – Votou sim

·  Beto Pereira (PSDB) – Votou sim

·  Dagoberto Nogueira (PSDB) – Votou sim

·  Luiz Ovando (PP) – Votou não

·  Geraldo Resende (PSDB) – Votou sim

·  Marcos Pollon (PL) – Votou não

·  Rodolfo Nogueira (PL) – Votou não

·  Camila Jara (PT) – Votou sim

Tarcísio é interrompido por Bolsonaro e vaiado

O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), foi interrompido por Bolsonaro durante reunião do PL em Brasília nesta quinta-feira (6) e vaiado pelos parlamentares que participaram do encontro. A manifestação dos integrantes da direita aconteceu após o governador se posicionar favorável à reforma tributária.

Ao lado do ex-presidente, o chefe do Executivo paulista disse achar “arriscado” a direita abrir mão do projeto. “Tudo bem, gente. Se vocês não acham que a reforma é importante”, ironizou depois da vaia da plateia.

Durante a reunião, Tarcísio ainda tentou dialogar pedindo que os parlamentares não desistissem de controlar a narrativa da aprovação da reforma para, mais adiante, não deixar os louros apenas para os governistas.

A reunião da quinta-feira (6) foi convocada pelo presidente da sigla, Valdemar Costa Neto, para decidir qual seria a orientação de voto dada aos deputados do PL. Se dirigindo aos presentes na reunião, o ex-presidente declarou que Tarcísio “não tem experiência política” que muitos têm.