Bolsonaro declara que vacinas contra a covid-19 causam embolia e trombose e defende hidroxicloroquina

Presidente citou casos e associou eles à reações dos imunizantes
| 12/12/2021
- 18:54
Bolsonaro deve visitar a fronteira de MS.
Foto: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro (PL) insinuou, neste sábado (11), que as vacinas contra a possam causar efeitos colaterais graves como trombose e embolia - sem apresentar evidências científicas. Além disso, o político voltou a defender o uso de medicamentos comprovadamente ineficazes contra a doença, segundo publicou a Folhapress.

“Um caso que está sendo estudado agora. O deputado [federal] Hélio Lopes, meu irmão, está baixado no hospital, com embolia. Parece ser efeito colateral da vacina. Vamos aguardar a conclusão”, afirmou ele à impresa no , neste domingo (12).

Sem mostrar evidências, Bolsonaro também disse que a irmã de um médico conhecido teve trombose no pé após tomar um imunizante contra a Covid-19. “Tem acontecido efeito colateral. Vocês já leram a bula dessas vacinas? Na Pfizer está escrito: não nós responsabilizamos por efeitos colateirais”, disse.

Efeitos adversos das vacinas

De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), é normal que, após se vacinar, a pessoa sinta alguns efeitos colaterais leves, tais como febre baixa ou dores musculares. Isso porque seu sistema imunológico está instruindo seu corpo a reagir de certas maneiras.

Algumas pessoas, porém, podem experimentar efeitos adversos menos comuns. Segundo a OMS, reações alérgicas graves, como anafilaxia, têm sido relatadas de forma extremamente rara.

De acordo com a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), os eventos adversos mais comuns após a vacinação são dor no local da aplicação, fadiga, cefaleia (dor de cabeça), dor muscular, calafrios, dor nas articulações e febre. Já o risco de ocorrência de miocardite e pericardite é baixo, e não há evidências científicas disponíveis que indiquem riscos aumentados de eventos cardíacos.

Os imunizantes são capazes de reduzir as chances de quadros agudos da doença, além de minimizar a contaminação pelo novo coronavírus. A dose de reforço, incentivada pelo Ministério da Saúde brasileiro e adotada em outros países, é uma das provas da importância das imunizações.

Evidências demonstram que as vacinas protegem contra todas as variantes de preocupação que surgiram até a delta. Em relação à nova cepa, denominada ômicron, estudos estão sendo conduzidos para saber a real eficácia dos imunizantes contra ela. A Pfizer e a BioNTech já adiantaram que as três doses do imunizante são capazes de neutralizá-la.

Hidroxicloroquina

Para defender o uso dos medicamentos comprovadamente ineficazes contra a covid-19, o agora recém-filiado ao PL afirmou que tomou a hidroxicloroquina recentemente e que “tomará outra vez” caso seja contaminado novamente.

Bolsonaro voltou a criticar as medidas de isolamento social adotadas por governadores e prefeitos, que, segundo ele, “decretaram de forma irresponsável”. A gestão do combate à pandemia pelo governo Bolsonaro vem sendo criticada por ex-ministros e profissionais da saúde, entre outros pontos, em razão da falta de coordenação nacional.

As declarações do presidente Jair Bolsonaro foram dadas em uma entrevista coletiva após a cerimônia de promoção de “Guardas-Marinha”, na sede da Marinha no Rio de Janeiro (RJ).

No evento, que contou com restrições de público impostas pela Marinha, o presidente chegou a ser hostilizado e xingado depois que insinuou permanecer no Palácio do Planalto por mais um mandato.

Veja também

Até agora foram registradas 10 candidaturas à Presidência da República

Últimas notícias