Candidatura de Zeca aumenta pressão em Puccinelli

Na semana passada o deputado federal anunciou ao Midiamax que pensa em lançar candidatura a prefeito no ano que vem. A candidatura ainda depende de algumas exigências, mas já serviu para botar ainda mais fogo no PMDB, que defende a candidatura de (PMDB).

O ex-governador afirma que não concorre mais ao cargo de prefeito, mas o novo componente – Zeca do PT – pode fazer o ex-governador pensar melhor. Caso aceite, Zeca e Puccinelli podem repetir, após 20 anos, o histórico confronto de 1996.

Na ocasião, Zeca perdeu a eleição para Puccinelli no segundo turno, com diferença de 411 votos. No primeiro turno Zeca ficou com 101.657 votos e Puccinelli com 81.217. Já no segundo turno Puccinelli venceu com 131.124, contra 130.713 de Zeca. A eleição causa polêmica até hoje, com reclamações de Zeca. Ele alega que a eleição teve fraudes, suspeitando que até morto tenha votado.

Os rivais voltaram a se enfrentar na eleição de 2010, com nova vitória de André Puccinelli. Ele conseguiu se reeleger governador com 704.407 votos, contra 534.601 de Zeca. A eleição voltou a provocar reclamações de Zeca. Desta vez ele culpou o senador Delcídio do Amaral (PT) pela derrota.

O senador Delcídio será, inclusive, um dos principais responsáveis pela reedição deste enfrentamento. Zeca já avisou que só será candidato se o PT estiver unido, o que dependerá da vontade do senador. Ele afirmou que não lançará candidatura se o grupo de Delcídio não apoiá-lo, como, segundo ele, aconteceu em 2010, se o PT não tiver uma chapa com 30 candidatos competitivos e se fizer aliança com PSDB e PMDB.

Caso Delcídio aceite apoiar Zeca, a reedição dependerá de Puccinelli. Ele alega que já cumpriu a missão em , onde foi prefeito por oito anos. Após anunciar aposentadoria, ele tem dito a amigos que só retorna para disputar o Governo do Estado, em 2018.