Setembro terá 15 julgamentos, a maioria por assassinatos com motivos variados, desde suspeita de furtos até brigas, desavenças anteriores e dinheiro. As sessões do Tribunal do Júri do Fórum de Campo Grande são abertas ao público e começam sempre às 8 horas.

Um dos julgamentos em que o caso teve grande repercussão acontecerá no dia 27. Vai a julgamento Carlos Fernandes Soares por matar Márcia Catarina Lugo Ortiz em 2021. O autor era amigo da família e da vítima, inclusive confidente dela. Em algumas ocasiões, trabalhava como motorista para Márcia.

O rapaz matou a amiga após atraí-la para supostamente flagrarem ações do marido da vítima, que é policial civil. No trajeto, em uma SW4 alugada, ele atirou na cabeça da amiga e depois desovou o corpo embaixo de uma ponte em Campo Grande.

Ele ainda levou o veículo em um lava jato, serralheria e tapeçaria para arrumar os danos causados pelo tiro.

Dias depois, foi preso em um hotel em Dourados. Ele havia feito várias transferências bancárias, além de compras com um cartão da mulher. Tentou ainda levar juiz e peritos ao erro.

Na próxima terça-feira (5), vai a julgamento Jhonny de Souza da Mota por matar Rhennan Matheus Oliveira Tosi. O jovem foi morto a tiros nos altos da Avenida Afonso Pena, no dia 31 de outubro de 2021. A denúncia aponta que Rhennan estava nos altos da Afonso Pena com amigos, quando Jhonny e Diego chegaram, sendo que o segundo já estava armado.

Em determinado momento, um conhecido dos autores e vítima chegou e o para-choque do veículo caiu. Rhennan pegou o objeto e acabou esbarrando em Diego, que se aborreceu e foi tirar satisfação, mas o amigo em comum o acalmou, dizendo que a vítima era uma pessoa de bem.

Depois, Rhennan pegou uma cadeira e começou a imitar um rapaz, conhecido dos autores, que fazia manobras — conhecidas como ‘zerinhos’ — com a motocicleta. A brincadeira inclusive foi filmada e divulgada. Desta vez, foi Jhonny quem se incomodou com o rapaz e chamou Rhennan para brigar, conforme aponta o MPMS.

No entanto, a vítima se negou e voltou para o grupo de amigos. Jhonny então foi até Diego, pediu a arma de fogo e, sem dizer nada, atirou e matou Rhennan, fugindo em seguida com o comparsa.

Dia 6 de setembro, vai a júri um trio acusado de matar Ricardo Ventura Barbosa a tiros e depois queimar o corpo enrolado a um colchão no Bairro Colibri, em Campo Grande, em julho de 2020. Os réus são Carina Barbosa dos Santos, Rafael de Almeida Freitas e Flávio da Silva Siqueira.

Segundo a denúncia, Ricardo entregava drogas para Carina e Rafael enquanto Flávio era segurança da boca de fumo. No dia do crime, Ricardo não entregou a droga que havia saído para entregar, nem devolveu a motocicleta usada para o serviço. Por este motivo, decidiram matar a vítima.

Dia 12, Almiro Cássio, Igor Figueiró e Marcelo da Costa Lima vão a júri por matar Ronaldo Nepomuceno Neves em 2020. A vítima era dona de uma boate e foi morta após tirar ‘onda’ com o grupo por torturar Kelvin Dinderson dos Santos, conhecido como ‘Diabo Loiro’. Kelvin teria cometido furto na boate dias antes.

Os dois primeiros ficaram com a vítima ingerindo bebida alcoólica enquanto Marcelo foi até a boate e resgatou Kelvin. O grupo passou a torturar Ronaldo, com enforcamento, golpes de pedra e chutes na cabeça, além de garrafadas no pescoço.

Depois pegaram a caminhonete da vítima e a levaram próximo da cachoeira do Céuzinho e atearam fogo no corpo e no veículo da vítima.

Dia 14, será o julgamento da morte de Bruno Eduardo de Freitas Ferreira. Ele seria suspeito de furtar a casa de um rapaz, porém foi assassinado a facadas por outro ao saber da suspeita. O autor já tinha desavença anterior com a vítima.

Já no dia 19 vão a julgamento três pessoas acusadas de matarem o casal Pedro Vilha Alta Torres e Priscila Gonçalves Alves. O crime teria ocorrido após um casal suspeitar que as vítimas haviam furtado a residência. Outro casal foi contratado para atrair as vítimas. O casal receberia R$ 10 mil pelo serviço.

No dia 15, será julgado Adilson Ocampos de Matos por tentar matar a ex-esposa por não aceitar o fim do relacionamento. Na ocasião, o homem acabou esfaqueando o enteado de 10 anos no braço.

O casal havia se separado e a mulher estava retirando os pertences de dentro da casa, inclusive havia contratado um senhor para o frete. Em certo momento, o homem a chamou em um dos cômodos para conversar e a questionou se não o perdoaria mesmo, em seguida a esfaqueou e depois fugiu achando que havia a matado. Ela foi socorrida.

No dia 20, David Richard Araújo da Silva será julgado por matar dois homens a tiros, Samuel Francisco Souza Gonçalves e Matheus Djousseff Carola Reis. O motivo seria disputa por ponto de venda de drogas.