Em ocorrência registrada na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário), a vítima relatou que o número de telefone, por meio do qual recebeu a mensagem, tinha a foto do filho. Acreditando ser o rapaz e diante da afirmação de que sua senha estava travada, ela efetuou a transferência.

Mesmo com um CPF em nome de uma pessoa que residia no Pará, a mãe acabou fazendo a transferência. Entretanto, ao solicitar mais R$ 1.997, que seria para comprar apostilas, ela resolveu ligar para outro número do filho que tinha em seus contatos e acabou descobrindo que tinha caído em um golpe.