Policiais militares e familiares do policial cabo da Cigcoe (Companhia Independente de Gerenciamento de Crises e Operações Especiais) Genuwilson Teles Gomes, 35, estão no Memorial Parque, onde acontece o velório do PM que morreu ontem no El Kadri.

O sepultamento acontece às 16h30.

Os colegas de profissão estão inconformados e preferem não dar entrevista. A irmã do cabo Teles, Antonia Raquel, 33, disse que enquanto ele estava internado no El Kadri não falava sobre o atentado. A família o acompanhou, mas ele não resistiu e morreu ontem às 17h30.

Ele levou tiro no maxilar, braço direito e na barriga. Cabo Teles trabalhava na PM há 15 anos e fazia parte da comunidade do Bairro Guanandi, onde morava com os três filhos e a esposa Ana Gomes, 31.

O caso

O policial da Cigcoe (Companhia Independente de Gerenciamento de Crises e Operações Especiais) Genuwilson Teles Gomes, de 35 anos, foi alvejado em uma troca de tiros em um bar de Sidrolândia no dia 27 de março e morreu ontem em Campo Grande.

Na troca de tiros no bar do assentamento Eldorado, terminou com dois mortos, além do policial. Na ocasião, morreram Cristiano Pereira de Oliveira, de 23 anos, e Jorge Luiz Cardoso Junior, de 30 anos, o, acabou levando dois tiros e foi levado para a Santa Casa.

O policial foi socorrido por seus amigos e, no meio do caminho, uma guarnição da Cigcoe os abordou e levaram-no para a Santa Casa. O policial passou por quatro cirurgias e foi transferido para o El Kaderi, onde não resistiu e morreu. (Leia matérias relacionadas)