O interesse de Francisco na obra de Boff também foi confirmado durante sua visita ao Brasil

O papa Francisco consultou o teólogo e escritor brasileiro Leonardo Boff para escrever sua nova encíclica, a qual terá o meio ambiente como tema principal.  

Segundo a ANSA apurou, Boff esteve entre os especialistas contatados durante a idealização e a gestão da exortação apostólica, a primeiro com autoria exclusiva de Jorge Mario Bergoglio.

No ano passado, Francisco publicou a encíclica “Lumen Fidei”, que, porém, foi escrita com a ajuda de seu antecessor, Bento 16.

Boff teria contado a pessoas próximas que, em um domingo de setembro de 2013, estava com a argentina Clelia Luro, viúva do bispo Jeronimo Podestà, quando o Papa telefonou à mulher. Luro, por sua vez, disse a Francisco que estava na companhia de Boff e, imediatamente, o pontífice pediu que a viúva passasse o telefone.

“Poderia me enviar aquele seu livro sobre temáticas ambientais? Preciso dele”, teria dito Bergoglio ao teólogo brasileiro.

O interesse de Francisco na obra de Boff também foi confirmado durante sua visita ao Brasil, por ocasião da Jornada Mundial da Juventude (JMJ), no . Funcionários do Vaticano teriam percorrido a cidade à procura de livros do teólogo.  

O próprio Boff, em entrevista à ANSA em julho do ano passado, chegou a dizer que acreditava que a próxima encíclica papal seria sobre meio ambiente.

Hoje com 75 anos, Boff é expoente da Teologia da Libertação no Brasil. Foi membro da Ordem dos Frades Menores e alvo de um processo na Congregação para a Doutrina da Fé em 1984, então dirigida por Bento 16, que lhe rendeu o afastamento da Igreja Católica e dos franciscanos.  

Clelia Luro, por sua vez, morreu no fim do ano passado. Ela ficou amiga de Francisco quando ele, em 2010, ainda arcebispo de Buenos Aires, deu a extrema-unção a seu marido, o bispo argentino afastado da Igreja nos anos 1960 por ter se casado.