Deputado diz que vai ao MPF contra reajuste de energia de 35% em cinco cidades de MS

O deputado estadual Eduardo Rocha (PMDB) disse nesta quarta-feira (20) na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul que vai procurar o Procon e o MPF (Ministério Público Federal) para questionar o reajuste de 35,7% na tarifa de energia elétrica em cinco cidades do Estado, que passa a vigorar no próximo dia 27. Três Lagoas, […]
| 20/08/2014
- 18:09
Deputado diz que vai ao MPF contra reajuste de energia de 35% em cinco cidades de MS

O deputado estadual Eduardo Rocha (PMDB) disse nesta quarta-feira (20) na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul que vai procurar o Procon e o MPF (Ministério Público Federal) para questionar o reajuste de 35,7% na tarifa de energia elétrica em cinco cidades do Estado, que passa a vigorar no próximo dia 27.

Três Lagoas, Brasilândia, Santa Rita do Pardo, Selvíria e Anaurilândia sofrerão o reajuste da Elektro. A medida afetará outros 223 municípios localizados em São Paulo.

“Com um reajuste de 6,33% de inflação e 5,32% de IGPM esse aumento não se justifica”, avaliou o deputado.

De acordo com a Aneel, o item que mais impactou o reajuste da Elektro foi o aumento dos custos que a empresa teve com compra de energia. Fatores como aumento nos custos com transporte de energia e pagamento de encargos setoriais também influenciaram. Para os consumidores de alta tensão, o aumento será de 40,7%. Com isso, o efeito médio do reajuste ficará em 37,78%.

Para calcular o reajuste, a Aneel considera a variação de custos que a empresa teve no ano – cálculo que inclui custos típicos da atividade de distribuição, sobre os quais incide o IGP-M, além de outros custos que não acompanham necessariamente o índice inflacionário. Entre eles, a compra de energia, encargos de transmissão e encargos setoriais.

Últimas notícias